QUELIMANE: Justiça pelas próprias mãos ganha terreno

Anita Pinto

CSC_0137-300x201 QUELIMANE: Justiça pelas próprias mãos ganha terrenoQuelimane (Txopela) — Um corpo foi encontrado sem vida no bairro Aeroporto na cidade de Quelimane. Trata-se de um indivíduo de nome e idade desconhecida que caiu nas mãos da população enfurecida na última sexta feira. O cidadão na altura foi surpreendido a subtrair diversos bens em uma residência, quando os populares se aperceberam daquele acto espancaram-no até a morte segundo informações avançadas pelo Comando Provincial da Polícia da República de Moçambique ao nível da Zambézia.

O facto acontece numa altura em que vem se registando naquela zona um nível acentuado de ocorrências de crime organizado, onde indivíduos na calada da noite assaltam residências e estabelecimentos comerciais na tentativa de roubarem.

A população diz-se agastada e estar cansada da situação, tendo encontrado como meio de punir e desencorajar outros malfeitores, fazendo justiça pelas próprias mãos. O Porta-Voz da Polícia da República de Moçambique na Zambézia, Miguel Caetano, refere que a corporação condena este ato e apela “a população para não enveredar por actos de linchamentos visto que, no nosso ordenamento jurídico no código penal o linchamento é punível” Caetano na mesma linha apelou para que “todo e qualquer acto de índole criminal, existem canais apropriados a serem canalizados” Referindo-se assim as autoridade policiais e autoridades de base que são os secretários dos bairros, como instituições validas para dirimir e canalizar qualquer acto que contraria os preceitos legais disse.

Entretanto o Comando Provincial da PRM garante que já há uma equipe no terreno com vista a identificação dos cabecilhas dos grupos que perpetram actos de vandalismo na calada da noite para a sua responsabilização.

Leia:  Jogadores do Clube 1° de Maio de Quelimane sabotam treinos em reivindicação de atrasos salariais
LIVRE & INDEPENDENTE

© Jornal Txopela, 2017
Todos os direitos reservados
Fundado em 2014

REGISTO Nº 01/GABINFO-DEC/2016. © AFRO MEDIA COMPANY
Ir para a barra de ferramentas