Quelimane. A cidade em rejuvenescimento

IMG_9352-300x200 Quelimane. A cidade em rejuvenescimentoQuelimane (Txopela) — O centro da capital e zonas suburbanas está a renascer e a captar turistas. Prova disso são os dados divulgados recentemente sobre a subida de números de pedidos de alojamento.
Quem visitou Quelimane no passado percebe as diferenças. Para o estreante, a cidade apresenta-se renovada, sobretudo no centro, mas não é de agora. A reabilitação tem sido o tema dos últimos anos. Trazer mais visitantes e novos espaços ligados à hotelaria foram ganhando espaço.
Recentemente o Presidente da Autarquia, Manuel de Araujo procedeu a entrega formal de dois camiões porta-contentores a Empresa Municipal de Saneamento (EMUSA) para o fortalecimento da capacidade de gestão de resíduos sólidos. No seu discurso de ocasião o autarca de Quelimane, referiu que com a entrada em funcionamento daqueles meios circulantes sobe o número de dos anteriores 3 para 5 camiões daquela dimensão e especificidade que segundo advogou não há razão para Quelimane continuar a debater-se com o crónico problema de recolha de resíduos sólidos.
Manuel de Araújo teceu duras, criticas a gestão dos meios circulantes tendo determinado no local tolerância zero aos funcionários que foram recentemente flagrados usando aqueles meios para fins pessoais e por essa via terem propiciado a destruição prematura.
De Araújo reconheceu haver ainda um longo caminho por trilhar para resolver definitivamente o problema de lixo em Quelimane, acusou o Governo Provincial da Zambézia, comandado por Abdul Razak de criar empecilhos para a construção de um aterro sanitário.
“Até então continuamos a depositar o lixo ao ar livre na zona do Padeiro, onde as características do solo permitem o contacto directo com o lençol freático, o que aumenta as chances de contaminação das águas subterrâneas que afluem dos poços do precioso líquido usado para o consumo humano, propiciando a eclosão de doenças diarreicas”- afirmou. Manuel de Araújo, edil de Quelimane, disse em diversas ocasiões que o dinheiro para construção de um aterro sanitário já existe, mas a ingerência do executivo local impede a materialização do projecto na medida em que não aceita ceder um terreno para o efeito. Por isso, o saneamento do meio naquela urbe ainda é grave e é um perigo à saúde dos munícipes. O mais caricato, segundo Manuel de Araújo, é que já tinha sido identificado um local para a implantação do empreendimento que iria assegurar a promoção de boas práticas e o bem-estar da população mas o governo provincial de Quelimane inviabilizou o lançamento da primeira pedra, alegadamente porque o mesmo espaço está a alçada da jurisdição de Nicoadala.

LIVRE & INDEPENDENTE

© Jornal Txopela, 2017
Todos os direitos reservados
Fundado em 2014

REGISTO Nº 01/GABINFO-DEC/2016. © AFRO MEDIA COMPANY
Ir para a barra de ferramentas