Filhos Pródigos — Alex Dau

Bons-Sinais-300x150 Filhos Pródigos — Alex DauO lenço desarranjado no topo de sua cabeça resguarda porções de ignorância que teimavam em fazer pronunciamentos contra o intuito dos demais conterrâneos que viram e observavam a celebração suprema dos 75 anos da cidade, a animada bodas do brilhante.

Um manifesto supremo de todos os nativos além-fronteira, foram atraídos por múltiplos motivos para regressaram a terra que os viu nascer, a título de merecido reconhecimento esta, o senhor Francisco Prospero, que apesar da sua longevidade embarcou numa viajem transfronteiriça para alcançar a cidade dos bons sinais e aí reencontrar a origem do seu umbigo.

Numa oportunidade impar de rever o túmulo da sua progenitora, este grande homem chegou ao pequeno Brasil, cidade do carnaval Moçambicano ido de Portugal para demonstrar o seu patriotismo e amor a terra, e sinceramente temos mesmo que ter uma mente sã para perceber a grandeza deste acto.

A celebração das bodas do brilhante foi um marco histórico e impar para todos os moçambicanos e em particular, os quelimanenses e zambezianos um reencontro marcado por memórias indeléveis que prevalecerão para todo o sempre.

Esta celebração foi um aprendizado para todos os que buscam o saber, onde as distâncias foram encurtadas pelo amor a nação, a pátria, e a família.

Estes moçambicanos na diáspora, demonstraram o seu amor à pátria que alguns teimam em não reconhecer, quando de entre muitos sacrifícios embarcaram numa viajem terrestre de Maputo para chegaram a Quelimane, desafio que muitos naturais não estão dispostos a enfrentar, avivando a memória, estes Homens vêm de Portugal e outros lugares onde com certeza as vias terrestres estão em melhores condições.

Talvez seja suspeito de manifestar estas minhas considerações, mas não poderia deixar de tecer estas considerações oportunas, pois sei que estamos numa nação onde temos muito que aprender e apreender e se realmente quisermos compreender o mundo em que vivemos, ou que sobrevivemos, temos que calar e ouvir os que podem falar para dizer o que temos que saber. “Só sei que nada sei” este grande filosofo disse o que muitos da nação pátria devem compreender, devem calar antes de bocejar falas de escorpião.

Leia:  Município de Quelimane não alcança meta de receitas

Foram múltiplas as vantagens destes irmãos que vivendo além fronteira trouxeram para o país, para além dos factos enumerados pela Associação dos Bons Sinais existem tantas outras que só os mais atentos podem perceber.

A partidarização inconsequente de algumas mentes menos iluminadas leva-os, a estes pobres seres desconstruírem a nação que queremos moldar, temos que estar atentos pois estes vão desvirtuar o nacionalismo.

E só um indivíduo que não aspira prosperar com a sua nação pode fazer tamanhas declarações

Avante bons signatários da identidade nacional e em particular a dos bons sinais.

LIVRE & INDEPENDENTE

© Jornal Txopela, 2017
Todos os direitos reservados
Fundado em 2014

REGISTO Nº 01/GABINFO-DEC/2016. © AFRO MEDIA COMPANY
Ir para a barra de ferramentas