Juventude marginalizada na Zambézia

Zito Ossumane &Luís de Figueiredo

Capa-61-203x300 Juventude marginalizada na ZambéziaQuelimane (Txopela)— O Conselho Provincial da Juventude na Zambézia aponta o dedo acusador ao Governo Provincial da Zambézia de estar de forma consciente a contornar aquela organização que congrega diversas associações juvenis nos fóruns de debates sobre questões atinentes a esta camada social ao nível desta parcela do território nacional.

Estêvão Neves, Presidente do órgão que falou recentemente em exclusivo ao Semanário Txopela narrou as diversas adversidades que as associações, a direcção do CPJ tem vindo a ser votados por culpa directa da Direcção Provincial da Juventude e Desportos, que por competência atribuída pela lei lida com questões desta faixa etária. Estêvão José Neves teceu duras críticas ao Governo da Província da Zambézia, alegadamente porque as relações entre o órgão que dirige e o Governo não são saudáveis, segundo explicou, não tem existido um ambiente harmonioso entre a Direcção que superintende os assuntos de interesse da juventude ao nível do Governo Provincial e aquele que é o interlocutor válido entre a juventude e o executivo.

Para Estêvão Neves, o não relacionamento saudável entre o seu órgão e o governo tem fortes implicações na vida dos próprios jovens, visto que, há dificuldades de apresentar e buscar soluções dos problemas dos próprios jovens, numa altura em que o Estado ao nível central está a envidar esforços no sentido de potenciar os jovens, os discursos do chefe de Estado tem vindo a incentivar aos membros da sua maquina administra para plena inclusão destes nos programas de governação e busca de melhorias de vida para os moçambicanos.

O nosso entrevistado defendeu que os jovens são o garante do desenvolvimento do Pais e só potenciando esta camada social pode-se construir o Pais que se pretende “ Nós estamos numa fase em que o Pais esta a passar por uma conjuntura macroeconómica difícil e sabendo que os jovens são a força motriz no sentido de se inverter o actual cenário que se vive no Pais, é pertinente que sejam estreitados os relacionamentos com os jovens, especificamente com o Conselho Nacional da Juventude a todos os níveis porque este é o único órgão que detém o conhecimento dos reais problemas que apoquentam esta classe social”- rematou Neves.

Leia:  Tete: Acção social assiste mais de 37 mil pessoas carenciadas

Neves que foi sintético na sua constatação, aponta o facto da Direcção Provincial da Juventude e Desportos ter pautado por realizar actividades junto dos jovens a revelia do Conselho da Juventude, uma atitude que acha ser de má fé visto que nada pode ser feito para os jovens sem o conhecimento e aprovação dos próprios jovens. Outra preocupação apontada por aquele dirigente tem a ver com a falta de comunicação sobre os projectos juvenis e chega até a questionar se estes projectos tem sido geridos de forma clara e transparente uma vez que o CPJ não tem tido informações sobre tais projectos.

  O GOVERNO REAGE

“As relações são saudáveis” – Beato Dias

O Semanário Txopela ouviu recentemente Beato Dias Director Provincial Da Juventude e Desportos ao nível da província central da Zambézia sobre as acusações de que é alvo. Questionado sobre a relação existente entre o Conselho Provincial da Zambézia e a Direcção Provincial da Juventude e Desportos, o timoneiro daquela instituição, disse existirem relações muito saudáveis entre as duas instituições.

Beato disse que o seu órgão têm vindo a trabalhar com o CPJ Zambézia de forma muito estreita e garante que a situação da juventude na província está a melhorar fruto dessa relação visto que a partir das relações existentes entre os órgãos em causa, muitos jovens beneficiaram-se de financiamento do fundo de apoio as iniciativas juvenis (FAIJ). Aquele dirigente citou a título de exemplo, as formações profissionalizantes que os jovens se têm beneficiado, em áreas consideradas por aquele dirigente como sendo de maior importância actualmente para o garante do bem-estar dos jovens, segundo explica a seguir: “existem aquelas profissionais que eram antes consideradas menos importantes, mas a realidade actual nos remete a uma reflexão mais aprofundada a cerca destas profissões porque são estas profissões que garantem o auto emprego e o empreendedorismo dos nossos jovens, estou a falar de profissões como a carpintaria, a olaria e muitas outras profissões que antes eram tidas como de menos interesse. A nós como Governo cabe criar as oportunidades mas os jovens é que devem, ao saberem da existência destas oportunidades ir atrás das mesmas para poderem se beneficiar delas”- Beato Dias.

Leia:  A Frelimo precisa de encontrar no congresso, uma oportunidade para construir uma nova utopia — Jessemusse Cacinda

Num outrodesenvolvimento, Beato disse que a sua instituição esta empenhada a criar melhores condições de vida para os jovens da província da Zambézia mas pede que os mesmos sejam os protagonistas deste desenvolvimento e aconselha: “eu fui um dos primeiros jovens a leccionar na Universidade Pedagógica porque acreditei no meu potencial e trabalhei arduamente para chegar onde cheguei, portanto não esperem que as coisas irão acontecer aleatoriamente, peço também que não esperem por um emprego formal melhorado, comecem por fazer pequenas formações que vos garantam sustentabilidade como carpintaria transformando os troncos dos coqueiros em mobiliários por exemplo” – Beato Dias.

LIVRE & INDEPENDENTE

© Jornal Txopela, 2017
Todos os direitos reservados
Fundado em 2014

REGISTO Nº 01/GABINFO-DEC/2016. © AFRO MEDIA COMPANY
Ir para a barra de ferramentas