Feitiçaria: poderá proteger-nos dos saques? — Rogério Júnior

Rogerio-Marques-Junior-300x265 Feitiçaria: poderá proteger-nos dos saques? — Rogério JúniorA ciência nega a sua existência. Mas, segundo alguns escritos, ela é milenar. O seu tempo de vida confunde-se com a história da própria humanidade. Em África, um continente abençoado em recursos e amaldiçoado em pobreza, a feitiçaria existe em abundância, e tê-la pode traduzir-se em riqueza, isto é, quem não a tiver poderá, possivelmente, estar condenado, uma vez mais, à pobreza… eterna.

Existe mesmo a feitiçaria? Como pode uma região rica em feitiçaria continuar pobre? São eles, os feiticeiros que, de um lado, trazem-nos esperança de uma vida melhor por meio dos seus malabarismos obscuros. Doutro lado, são eles que também aruinam a “nossa” vida. Alias, eles não precisam de ter grandes razões para te deixar cair. Se a vida, no sentido amplo, estiver a correr-te bem é já um motivo de sofreres por “feitiços”. O teu progresso ecomoda-os. Pelo menos é o que dizem.

Se isto tudo for verdade, gostaria de propor aos feiticeiros que se pudessem unir numa campanha que visa proteger áfrica e os africanos. Proteger áfrica da constante pilhagem dos seus recursos que engordam outras nações a troco dos pacatos dólarzinhos que sobem sem nunca descer. Peço que feiticem aquele que nos vem roubar. Com vocês no comando, penso, poderemos não precisar de “armas” para este combate.

Não feiticem um irmão que, tal como vós, luta para melhorar a sua vida a meio de tantas carências. Quando o vosso irmão estiver a crescer na vida, por favor, protejam-no e deixe-no evoluir. Penso que, também aqui, a vossa falta de união é que cria este caos. Será que o vosso problema também continua ser o estomago? SIM? Ops…! então estamos mal. Quando se trata de estômago, ninguém mede esforços. PARECE QUE O DÓLAR É MAIOR FEITICEIRO, INFELIZMENTE.

Leia:  Presidente da República promulga Lei do Orçamento Rectificativo de 2016

 

LIVRE & INDEPENDENTE

© Jornal Txopela, 2017
Todos os direitos reservados
Fundado em 2014

REGISTO Nº 01/GABINFO-DEC/2016. © AFRO MEDIA COMPANY
Ir para a barra de ferramentas