Beyoncé faz parte da nossa consciência cultural coletiva de forma tão proeminente, e há tanto tempo, que pode ser tentador considerar a grandeza garantida. (Eu não – mas vocês fiquem seguros!) Na última década, vimos Beyoncé apresentar a ideia de álbuns visuais ao público em geral com seu projeto autointitulado, abraçar a raiva justa e a recuperação de si mesmo em Limonadadestrua e reinvente as expectativas para os headliners do festival em Beychella e envie uma carta de amor às origens da house music em RENASCIMENTO. Agora, depois de anunciar o segundo ato dela RENASCIMENTO projeto durante o Super Bowl, os dois primeiros singles estão aqui – e quando eu disser sim, é melhor você dizer haw.

À primeira vista, pode parecer um grande pivô passar dos elementos disco e club para o country, mas ao manter ambos os projetos sob o controle RENASCIMENTO guarda-chuva – com country sendo o segundo ato de três – Beyoncé está lembrando gentilmente que ambos os gêneros estão profundamente enraizados na criatividade dos artistas negros na América. A música country está inextricavelmente ligada ao blues e ao espiritual do Sul; apesar da direção de grande parte da música country moderna e mainstream, a base sonora sempre estará lá.

A música country é definida por histórias pessoais, com ênfase na capacidade de identificação, duas coisas que nem sempre foram marcas registradas do catálogo de Beyoncé. Por outro lado, o Texas, em toda a sua glória, sempre fez parte da identidade musical de Beyoncé – mas ela nunca abraçou esta parte das suas raízes sulistas de uma forma tão importante. Limonada cortou “Daddy Lessons”, que ela renovou com The Chicks, mergulhou um dedo neste espaço, mas agora ela está mergulhando.

“TEXAS HOLD ‘EM” e “16 CARRIAGES” oferecem dois caminhos distintos saindo do Club Renaissance e entrando no campo, um divertido e dançante, o outro introspectivo e arrebatador. “TEXAS HOLD ‘EM” se baseia em uma verdade inegável: às vezes as pessoas simplesmente anseiam por música estrondosa. É apenas fevereiro, mas pode ser a música do verão para mim aqui em Nashville, assim que as estações mudarem oficialmente; a alegria saltitante incorporada na faixa exige ser tocada no tipo de bar sobre o qual ela canta com amor. Music Row nem sempre faz as escolhas certas coletivamente, mas essa música merece um lar feliz nas rádios country. São os vocais inimitáveis ​​de Beyoncé que a levam de boa a ótima.

“16 CARRIAGES”, por sua vez, é uma faixa mid-tempo mais pesada que oferece uma visão um tanto rara da interioridade de uma de nossas celebridades mais privadas. Aqui, ela brinca com o equilíbrio entre tristeza e esperança — profundamente característico do gênero country — enquanto reflete sobre o caminho que percorreu desde que assinou com a Columbia Records, aos 15 anos. vi mamãe orando, vi papai trabalhando”, ela canta. “Dezesseis dólares, trabalhando o dia todo/ Não tenho tempo a perder, tenho arte para fazer/ Tenho amor para criar nesta noite sagrada.”

Ao enfatizar as harmonias de órgão e coro, ela está trazendo elementos gospel mais característicos dos artistas country negros. “16 CARRIAGES” invoca um pouco da coragem autobiográfica de Johnny Cash e seus contemporâneos, mas os maiores momentos vocais e o ar dramático lembram o estilo mais comovente de Barbara Mandrell. A escala aqui parece mais esperada de um single da Beyoncé, mas o contraste entre os dois é emocionante – o que será Ato II soa como um todo, se já temos tanto alcance para aproveitar aqui?

Beyoncé, claro, não tem nada a provar a ninguém, mas ela parece estar pensando no mosaico de talento artístico que teceu ao longo de toda a sua carreira com este próximo passo. Novamente, em “16 CARRIAGES”, ela diz: “Tive que me sacrificar e deixar meus medos para trás/ O legado, mesmo que seja a última coisa que eu faça/ Você vai se lembrar de mim”. Eu acredito em você, Beyoncé.



Fuente