Os lesados do colapso do Grupo Espírito Santo e do respectivo banco estão a ter cada vez mais dificuldades em chegarem às centenas de milhões de euros em dinheiro e bens que estão apreendidos à guarda do processo-crime, essenciais para que recebam pelo menos parte do que perderam.

Fuente