Se não por outra razão, Luís Montenegro ficou esta noite obrigado a ganhar as eleições de 10 de março ao ouvir, na primeira fila, Pedro Passos Coelho, mais do que exigi-la, dá-la como a única possível: “O resultado natural destas eleições é a vitória da AD. É a coisa mais natural do mundo”, disse o antigo primeiro-ministro, que entrou de rompante na campanha da AD, para, “modestamente”, retribuir “o enorme apoio” que Montenegro lhe deu quando chefiou a bancada parlamentar do PSD no Governo de Passos, o último do PSD/CDS. Leia-se: se o Governo de António Costa deixou “este vazio” e, mesmo assim, a AD não vencer, só pode ser por culpa própria – e do homem que a lidera.

Em Faro, além de deixar Montenegro obrigado a vencer as legislativas, Passos acabou por fazer com que todos os partidos reagissem ao que disse, ao lembrar declarações sobre imigração que levaram PS e BE a acusá-lo de xenofobia em 2017, palavras que Ventura aproveitou para atirar ao atual líder do PSD.

Artigo Exclusivo para subscritores

Subscreva já por apenas 1,54€ por semana.

Já é Subscritor?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

Fuente