Todas as principais decisões terão sido tomadas semanas antes em reuniões à porta fechada (Arquivo)

Pequim, China:

O conclave político anual da China começa em Pequim na segunda-feira, com as autoridades a dizerem que a debilidade da economia e o desemprego juvenil são “grande preocupação” à medida que traçam planos para o próximo ano.

A polícia armada e os trabalhadores da segurança pública estão omnipresentes nas ruas de Pequim, à medida que milhares de delegados chegam para o início das reuniões anuais das “Duas Sessões”.

Os procedimentos começam segunda-feira às 15h (07h00 GMT) com a cerimônia de abertura da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC) – com a presença do presidente Xi Jinping e outros altos escalões do partido – que durará até domingo, 10 de março.

Numa conferência de imprensa no domingo, o porta-voz da CCPPC, Liu Jieyi, disse que “os temas económicos são de grande preocupação” para os mais de dois mil membros do órgão.

O mesmo aconteceu com “o emprego dos jovens, especialmente os recém-licenciados”, disse ele, com o desemprego juvenil oficialmente a rondar os 15 por cento no final de 2023, depois de o gabinete de estatísticas ter ajustado os seus métodos de cálculo.

A CCPPC de segunda-feira tem riscos relativamente baixos em comparação com a reunião quase simultânea da legislatura do país, a Assembleia Popular Nacional (APN).

O NPC começa na terça-feira e vai até 11 de março, disse o porta-voz Lou Qinjian em entrevista coletiva na segunda-feira.

Não se espera que as reuniões mostrem a revelação de resgates de valor elevado que, segundo os especialistas, são necessários para estimular a economia da China, que no ano passado registou um dos crescimentos mais baixos em décadas.

Foco na economia

Mas Lou adotou na segunda-feira um tom otimista, dizendo que os líderes de Pequim tinham “ampla confiança” de que a economia se recuperaria.

“A China tem condições mais favoráveis ​​do que desafios no seu desenvolvimento económico”, insistiu.

“A tendência subjacente de recuperação da economia e de crescimento a longo prazo permanece inalterada”, disse ele.

Mas, acrescentou, o primeiro-ministro Li Qiang não realizará uma conferência de imprensa no final da APN, numa ruptura com a tradição de décadas.

Li aproveitou o briefing do ano passado para alertar que as modestas metas de crescimento de Pequim “não seriam uma tarefa fácil”.

A China também deverá duplicar a aposta na segurança nacional, com analistas esperando que aumente o seu orçamento militar, perdendo apenas para os Estados Unidos.

Pequim revisou uma lei que expandiu drasticamente a sua definição de espionagem no ano passado e conduziu incursões a uma série de grandes empresas de consultoria, investigação e due diligence.

O órgão máximo da legislatura também aprovou uma revisão ampla e vagamente redigida da lei de segredos de estado do país no período que antecedeu a APN.

Lynette Ong, professora da Universidade de Toronto, disse à AFP que “haveria ênfase contínua na segurança”.

“Não espero nenhuma mudança política importante, como reformas estruturais importantes, que mudem o curso da trajetória económica”, acrescentou.

No papel, o NPC exerce pouco poder real.

Todas as decisões importantes terão sido tomadas semanas antes, em reuniões à porta fechada do Partido Comunista, longe das câmaras dos meios de comunicação internacionais.

Mas os tópicos que estão em discussão e o tom dos discursos permitem obter informações importantes sobre o que mantém os governantes da China acordados à noite, dizem os analistas.

“Equilibrar a segurança com a necessidade de manter a economia a funcionar enquanto outras questões são resolvidas está no centro das mentes dos decisores políticos”, disse Diana Choyleva, economista-chefe da Enodo Economics.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Esperando por resposta para carregar…

Fuente