“Quer que a Catalunha seja um Estado independente?” Eis a pergunta a que os cidadãos daquela região espanhola responderiam caso fosse para a frente o referendo proposto pelo presidente do Executivo autonómico catalão esta terça-feira. Pere Aragonès assegura que quer promover a consulta popular através de um pacto com o Governo de Espanha.

O governante, da Esquerda Republicana da Catalunha (ERC, independentista, no poder autonómico), considera este projeto o “próximo grande objetivo político nas negociações com o Estado espanhol”. Em defesa desse diálogo, Aragonès frisa que “votar sobre a independência é possível no atual quadro legislativo, sendo apenas uma questão de vontade política, como a amnistia”, em referência à lei aprovada recentemente pelo Parlamento espanhol, que apagar qualquer tipo de responsabilidade dos envolvidos na intentona falhada de secessão de outubro de 2017, protagonizado pelo então presidente catalão Carles Puigdemont, fugido para a Bélgica.

Artigo Exclusivo para subscritores

Subscreva já por apenas 1,73€ por semana.

Já é Subscritor?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

Fuente