A Apple supostamente se encontrou novamente em apuros com a União Europeia (UE). No início deste ano, a UE pôs em vigor a Lei dos Mercados Digitais (DMA) com prazo até 6 de março. Entre muitas políticas centradas no utilizador, a lei também exigia que as empresas de tecnologia de consumo se concentrassem na interoperabilidade e oferecessem um ecossistema aberto onde os utilizadores tivessem uma escolha ao escolher um aplicativo específico em um dispositivo como padrão. Embora a Apple tenha adicionado suporte para mercados de aplicativos alternativos e permitido que navegadores de terceiros executem seu mecanismo para cumprir a lei, a UE acredita que o aplicativo Fotos ainda está em violação.

Em 25 de março, a Comissão Europeia (CE) abriu uma investigação de não conformidade contra Apple, Google e Meta. Para a Apple, três razões foram listadas no Comunicado de imprensa que afirmava: “A Comissão abriu um processo contra a Apple em relação às suas medidas para cumprir as obrigações de (i) permitir que os usuários finais desinstalem facilmente qualquer aplicativo de software no iOS, (ii) alterar facilmente as configurações padrão no iOS e (iii) solicitar aos usuários com telas de escolha que devem permitir que eles selecionem de maneira fácil e eficaz um serviço padrão alternativo, como um navegador ou mecanismo de busca em seus iPhones.”

De acordo com um relatório por John Gruber da Daring Fireball, a primeira parte dos motivos mencionados acima refere-se ao aplicativo Fotos. Gruber destaca isso nas observações da Vice-Presidente Executiva da CE, Margrethe Vestager. Ela disse: “A Apple também não conseguiu tornar vários aplicativos não instaláveis ​​(um deles seria o Photos) e impediu que os usuários finais alterassem seu status padrão (por exemplo, Cloud), conforme exigido pelo DMA”.

Permitir que os usuários excluam o aplicativo Fotos pode ser complicado para o fabricante do iPhone. Como Gruber apontou no relatório, os aplicativos do sistema da Apple estão profundamente integrados ao sistema operacional. O aplicativo Fotos, por exemplo, não é apenas um aplicativo para ver as fotos da galeria, mas também serve para conceder a aplicativos de terceiros diferentes níveis de acesso a ele para aumentar a segurança. O aplicativo Fotos também está integrado ao iCloud e permite aos usuários compartilhar álbuns selecionados ou a galeria inteira com outros usuários. Tornar o aplicativo Fotos desinstalável e permitir um aplicativo de galeria de terceiros com o mesmo acesso pode exigir que a Apple reprojete todo o iOS.

Com o caso de incumprimento agora aberto, a CE pretende concluir o processo no prazo de 12 meses. A Apple terá agora que passar por uma investigação onde, se os reguladores não derem razões justificáveis ​​para não tornar o aplicativo desinstalável, a Apple poderá ter que pagar até 20 por cento de sua receita total mundial em multas. A CE destaca que, em casos de infrações sistemáticas, também pode obrigar o controlador de acesso (a empresa de tecnologia de consumo) a vender uma empresa ou partes dela, ou proibi-la de adquirir serviços adicionais relacionados com a não conformidade.


Links de afiliados podem ser gerados automaticamente – consulte nossa declaração de ética para obter detalhes.

Comentários

Para obter as últimas notícias e análises de tecnologia, siga Gadgets 360 em X, Facebook, Whatsapp, Tópicos e notícias do Google. Para os vídeos mais recentes sobre gadgets e tecnologia, inscreva-se em nosso Canal do Youtube. Se você quiser saber tudo sobre os principais influenciadores, siga nosso site interno Quem é esse 360 sobre Instagram e YouTube.

Lançamento do iQoo 12 Anniversary Edition India definido para 9 de abril; Preço, cor e principais recursos revelados



Fuente