Quando a Secretária do Tesouro, Janet L. Yellen, viajou para Pequim no Verão passado, a sua missão era restabelecer um diálogo entre as maiores economias do mundo e estabilizar uma relação que parecia ter atingido o fundo do poço.

Os Estados Unidos e a China criaram grupos formais de trabalho económico para manter o diálogo. Meses depois, Yellen reuniu-se com os seus homólogos chineses em São Francisco e Marrocos. E o consumo pelo secretário do Tesouro de um prato feito com cogumelos “mágicos” psicadélicos num restaurante ao estilo de Yunnan, em Pequim, provocou uma espécie de mania culinária na China, onde Yellen é popular por ser uma economista aclamada.

Mas, apesar desses sinais de progresso, questões económicas espinhosas continuam a dividir a China e os Estados Unidos. Quando Yellen chegar na quinta-feira para quatro dias de reuniões em Guangzhou e Pequim, espera-se que os dois lados troquem opiniões sobre o estado da economia global, as preocupações do governo Biden sobre a onda de exportações de tecnologia de energia verde da China e a frustração de Pequim com o aumento barreiras ao investimento chinês nos Estados Unidos.

“Não queremos dissociar as nossas economias”, disse Yellen na quarta-feira, durante uma escala no Alasca, a caminho da China. “Queremos continuar e pensamos que ambos beneficiamos do comércio e do investimento, mas é necessário que haja condições de concorrência equitativas.”

Mas ela sugeriu que a administração estava preparada para tomar novas medidas comerciais contra a China para garantir a sobrevivência do sector de energia limpa que os Estados Unidos têm tentado fazer crescer através de subsídios fiscais e outros investimentos.

Aqui estão algumas das questões mais controversas que semearam divisões entre os Estados Unidos e a China.

Uma das principais prioridades de Yellen será transmitir as profundas preocupações da administração Biden de que um excesso de exportações de tecnologia verde fortemente subsidiadas da China está a distorcer os mercados globais.

Yellen, durante uma visita a uma fábrica de células solares na Geórgia na semana passada, defendeu que o aumento das exportações chinesas de veículos eléctricos, baterias e tecnologia solar era problemático numa altura em que os Estados Unidos estão a gastar enormes somas para tentar desenvolver essas indústrias. Ela sustentou que a China estava a seguir o mesmo manual que utilizou quando inundou os mercados globais com aço e alumínio baratos e subsidiados pelo Estado, prejudicando os produtores americanos que não conseguiram competir.

Na quarta-feira, Yellen sugeriu que os Estados Unidos poderiam tomar medidas para garantir que o dinheiro gasto como parte da Lei de Redução da Inflação não seja prejudicado pelas práticas da China.

“Estamos a conceder subsídios fiscais a alguns destes sectores e não gostaria de descartar outras formas possíveis de protegê-los”, disse ela quando questionada sobre o potencial para novas tarifas sobre as importações chinesas.

A China concentrou-se na produção industrial para reforçar a sua economia em crise. As suas exportações, medidas em dólares, aumentaram 7% em Janeiro e Fevereiro em relação ao ano passado. O aumento das exportações também irritou as autoridades da União Europeia, e o bloco anunciou no mês passado que se preparava para cobrar tarifas, que são impostos de importação, sobre todos os carros elétricos que chegassem da China.

A China rejeitou as alegações de que a sua economia está em dificuldades e excessivamente dependente das exportações. Mas estabeleceu uma ambiciosa meta de crescimento económico de “cerca de 5%” para este ano, e alcançá-la dependerá em grande parte da forte procura de bens produzidos pelas fábricas chinesas – veículos eléctricos, painéis solares e electrónica de consumo.

A administração Biden manteve tarifas sobre mais de 300 mil milhões de dólares em produtos chineses. Estas taxas, impostas pela primeira vez pela administração Trump, continuam a ser uma fonte significativa de tensão entre os dois países.

Yellen assumiu o cargo dizendo que as tarifas são impostos sobre os consumidores e argumentou que as taxas de Trump não foram bem concebidas. No entanto, a redução de tarifas é particularmente difícil num ano eleitoral, e é pouco provável que Yellen consiga oferecer muito alívio à China nessa frente.

A Casa Branca tem ponderado a possibilidade de relaxar algumas das tarifas que atingem os consumidores dos EUA e impor novas que se concentrariam nas exportações de energia verde da China.

E outra rodada de tarifas solares dos EUA poderá ocorrer neste verão, quando expirar uma pausa de dois anos que o presidente Biden emitiu em 2022.

A China tem as suas próprias queixas sobre as políticas comerciais dos EUA e apresentou uma reclamação na semana passada, com a Organização Mundial do Comércio alegando que as políticas de subsídios para veículos elétricos do governo Biden são discriminatórias.

Os Estados Unidos e a China dizem que acolhem bem o investimento estrangeiro, mas as suas políticas permanecem hostis.

As empresas americanas que operam na China queixaram-se no ano passado de terem os seus escritórios revistados e de terem enfrentado assédio por parte das autoridades chinesas. Yellen, que se reunirá com executivos americanos em Guangzhou, tem buscado clareza sobre o escopo de uma lei antiespionagem chinesa que as empresas estrangeiras acreditam que levará a um escrutínio adicional do governo.

Os líderes da China estão a pressionar para mudar a percepção de que o país já não é um lugar seguro para os investidores estrangeiros colocarem o seu dinheiro. Pequim tem motivos para estar preocupada: o investimento directo estrangeiro na China caiu para os níveis mais baixos em três décadas no ano passado, e o governo tomou uma série de medidas que deixaram as empresas estrangeiras com a sensação de que o país é um local cada vez mais hostil para operar. Além disso, as preocupações com a economia da China deixaram muitas empresas menos dispostas a tolerar as compensações de gerir um negócio no país.

No mês passado, o primeiro-ministro Li Qiang, o segundo em comando da China, disse que o governo estava a remover as restrições ao investimento estrangeiro para tornar o país um “destino preferido” para fundos estrangeiros.

E Xi Jinping, o líder da China, reuniu-se com uma delegação de líderes empresariais dos EUA na semana passada e declarou que a China continuava empenhada na reforma económica.

No entanto, num sinal das mensagens contraditórias de Pequim, no mesmo dia da reunião de Xi, o Ministério da Segurança do Estado da China alertou o público sobre o risco de inteligência representado pelas consultorias estrangeiras – o tipo de empresas de consultoria em que as empresas estrangeiras confiam para realizar due diligence para investimentos.

Os Estados Unidos também estão a adoptar uma abordagem mais dura. Durante uma ligação esta semana, Biden e Xi discutiram o destino do TikTok, a plataforma de mídia social de propriedade da empresa chinesa ByteDance. A Câmara dos Deputados aprovou no mês passado uma legislação que forçaria a venda da empresa por questões de segurança nacional, e Biden disse que apoia o projeto, que ainda precisa ser aprovado no Senado para se tornar lei. Espera-se que a China bloqueie a venda forçada do TikTok e que as autoridades chinesas levantem a questão com Yellen.

A administração Biden também está a tentar reprimir o fluxo de dinheiro para a China, incluindo a proibição de novos investimentos americanos em indústrias tecnológicas importantes que poderiam ser usadas para melhorar as capacidades militares de Pequim. Também limitou a capacidade da China de beneficiar da Lei de Redução da Inflação, a lei climática e energética dos EUA.

Como secretária do Tesouro, Yellen supervisiona o programa de sanções dos Estados Unidos, que nos últimos meses tem sido cada vez mais dirigido à China.

No final de março, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha impuseram sanções às unidades de hackers de elite da China, acusando a principal agência de espionagem de Pequim de um esforço de anos para colocar malware nas redes elétricas, sistemas de defesa e outras infraestruturas críticas dos EUA, e de roubar os registros de votação de 40 milhões de pessoas. Cidadãos britânicos.

Yellen tem pressionado veementemente a China para que não ajude a Rússia a escapar das sanções dos EUA. Durante um discurso no ano passado, ela expressou consternação com a parceria “sem limites” da China com a Rússia e chamou de “essencial” que a China não forneça à Rússia apoio material ou assistência na evasão de sanções.

O Departamento do Tesouro também tem estado cada vez mais concentrado em empresas sediadas em Hong Kong que foram acusadas de ajudar a Rússia e o Irão a contornar as sanções americanas.

Os Estados Unidos impuseram extensas restrições à venda de chips de computação avançados, equipamentos de fabricação de chips e produtos relacionados à China, dizendo que Pequim usou esses produtos para desenvolver armas avançadas e sistemas de vigilância que contrariavam os interesses de segurança nacional dos EUA.

A China continua a irritar-se com essas restrições. Depois que a Casa Branca revisou as regras para exportação de chips de inteligência artificial e equipamentos de fabricação de chips americanos na semana passada, a China criticou os Estados Unidos, dizendo que estava mudando arbitrariamente as regras e criando mais obstáculos ao comércio.

A China vê o reforço dos controlos como parte de uma estratégia dos EUA para impedir a ascensão do país, limitando o acesso a produtos essenciais para o avanço da IA ​​e de outras tecnologias da próxima geração.

Daisuke Wakabayashi contribuiu com reportagens de Seul.

Fuente