O tema entrou na ordem do dia e Francisco Camacho, presidente da Juventude Popular (JP) garante que o CDS e a JP não viram as costas aos problemas apontados pelas Forças Armadas portuguesas. Até porque o novo ministro da Defesa, Nuno Melo, pertence ao seu partido, como faz questão de vincar. Falar do eventual regresso do serviço militar obrigatório, entende, obriga no entanto a recentrar questão: “O problema identificado é a dificuldade na renovação dos efetivos nos três ramos das Forças Armadas: Força Aérea, Exército e Marinha. Não se trata da entrada de novos quadros”. “O que está a ser gritante é a dificuldade de retenção”, pelo que a principal celeuma prende-se com a permanência de pessoas, disse ao Expresso.

Artigo Exclusivo para subscritores

Subscreva já por apenas 1,73€ por semana.

Já é Subscritor?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para continuar a ler

Fuente