Nas horas seguintes a sete membros da sua equipa da Cozinha Central Mundial terem sido mortos por uma série de ataques com mísseis israelitas contra o seu comboio de ajuda, o enlutado chef José Andrés escreveu uma carta notável dirigida a todos os israelitas.

Publicado no Ynet, a versão online do jornal Yedioth Ahronot e uma importante fonte de notícias para os israelenses, o artigo do fundador da WCK, com sede nos EUA, apelou ao povo da moralidade de Israel.

“Israel é melhor do que a forma como esta guerra está sendo travada”, escreveu Andrés. “É melhor que bloqueando comida e medicamento para civis. É melhor do que matar trabalhadores humanitários que coordenam os seus movimentos com o [Israel Defence Forces].”

Fundada por Andrés, a World Central Kitchen entrega refeições a pessoas em desastres naturais ou zonas de conflito.

Nos dias e semanas que se seguiram aos ataques liderados pelo Hamas às comunidades do sul de Israel, em 7 de outubro de 2023, a equipa de Andrés serviu mais de 1,75 milhões de refeições quentes a israelitas, enquanto muitos ainda se recuperavam dos acontecimentos horríveis e se sentiam profundamente vulneráveis.

Semanas mais tarde, as equipas de Andrés transferiram os seus esforços para Gaza devastada pela guerra, onde a ONG passou a servir mais de 45 milhões de refeições a palestinianos desesperadamente famintos.

A necessidade no território continua maior do que nunca, mas na terça-feira, Andrés anunciou que, devido ao ataque israelita à sua equipa, estava a suspender o programa alimentar em Gaza. O grupo também foi responsável pela gestão de uma rota de abastecimento marítimo entre Chipre e Gaza, e também a suspendeu na terça-feira, desviando um navio que estava preparado para entregar mais de 200 toneladas de alimentos.

ASSISTA | A Cozinha Central Mundial interrompe operações em Gaza após ataque com mísseis israelenses:

Cozinha Central Mundial interrompe operações em Gaza após a morte de 7 trabalhadores humanitários

Um cidadão com dupla nacionalidade, Canadá e EUA, que entregava ajuda ao grupo World Central Kitchen estava entre os sete trabalhadores mortos por um ataque aéreo israelense em Gaza. Em resposta, os líderes mundiais apelaram a uma investigação e os grupos de ajuda deixaram de prestar ajuda a pessoas próximas da fome.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, reconheceu o ataque com mísseis e chamou as mortes de “trágicas”, mas também alertou que “isso acontece em tempos de guerra”. Andrés rejeitou esta explicação e implorou ao governo de Israel, e especialmente aos israelitas comuns, que pensassem sobre como o conflito está a evoluir.

“Você não pode vencer esta guerra deixando uma população inteira morrendo de fome”, escreveu ele.

A questão é se o assassinato de seis trabalhadores humanitários estrangeiros (o sétimo trabalhador da WCK morto era um palestino local) levará Israel a repensar a sua estratégia de guerra quando a morte de mais de 32.000 palestinos – incluindo 180 trabalhadores humanitários – até agora não.

‘Algo deu terrivelmente errado’

Observadores de Israel de longa data acreditam que as probabilidades não são promissoras.

“Algo correu terrivelmente errado na fibra moral da sociedade, dos militares”, disse Daniel Levy, do Projecto EUA/Oriente Médio, que serviu na equipa de negociação de paz de Israel durante a década de 1990.

“Israel autocensurou-se”, disse ele à CBC News, sugerindo que os israelitas estão tão fixados na ideia de derrotar o Hamas que bloquearam as noções de certo e errado.

“Recebemos camada após camada de justificativas preventivas [by the government] pelo que, tragicamente e cada vez mais, parece ser o cometimento de crimes de guerra por parte de Israel.”

Embora milhares de israelitas tenham realizado protestos públicos contra Netanyahu, particularmente devido ao fracasso do governo em libertar reféns que permanecem nas mãos do Hamas, algumas pesquisas sugerem Os israelenses ainda são amplamente a favor da guerra.

O Departamento de Estado dos EUA, as agências das Nações Unidas e vários grupos de ajuda lamentaram a falta de assistência humanitária que Israel permite a entrada em Gaza e alertaram para o risco de fome.

FOTO DE ARQUIVO: A barcaça da Cozinha Central Mundial (WCK) carregada de alimentos chega à costa de Gaza, onde há risco de fome após cinco meses de campanha militar de Israel, nesta imagem divulgada em 15 de março de 2024.
Uma barcaça da World Central Kitchen carregada de alimentos chega à costa de Gaza em 15 de março. (Forças de Defesa de Israel/Folheto via Reuters)

Nos últimos dias, porém, o Agência governamental israelense que supervisiona a entrega de ajuda a Gaza reagiu, alegando que a ameaça de fome em Gaza é exagerada.

Escassez de alimentos

No seu próprio relatório, a Coordenação das Atividades Governamentais nos Territórios (COGAT) afirmou que as Nações Unidas estão exagerando a gravidade da fome em Gaza porque se baseia em dados fornecidos pelo Hamas e porque as observações dos seus próprios soldados indicam que os alimentos são abundantes, inclusive nos mercados.

As observações do COGAT foram refutadas pelo Departamento de Estado dos EUA, bem como pelos palestinos em Gaza, que disseram à CBC News que a escassez de alimentos é generalizada.

Funcionários do Departamento de Estado dos EUA disseram Reuters que no máximo 250 camiões de ajuda entravam diariamente em Gaza, enquanto antes da guerra eram necessários 400 a 500. E uma vez que os combates paralisaram a agricultura e a produção doméstica de alimentos, é necessária agora muito mais ajuda.

ASSISTA | Os habitantes de Gaza temem a perda de fontes vitais de alimentos com a retirada da WCK:

Palestinos dependentes de ajuda alimentar ‘sofrerão muito’ depois que greve matar trabalhadores

Depois que a World Central Kitchen disse que interromperia as operações na região depois que um ataque aéreo israelense matou sete trabalhadores humanitários internacionais, os palestinos que dependiam da instituição de caridade para obter alimentos lamentaram o impacto que isso terá sobre as pessoas em Gaza.

O governo de Israel tem proibiu a agência da ONU para refugiados, UNRWA, de fazer entregas de alimentos no norte de Gaza, onde a fome é mais aguda. Acusa a agência de promover a ideologia do Hamas e afirma que vários funcionários da UNRWA participaram nos ataques de 7 de Outubro. O Canadá e outros governos estrangeiros dizem que ainda não viram provas concretas disso.

Jan Egeland, chefe do Conselho Norueguês para os Refugiados, regressou recentemente de uma viagem a Gaza e disse Israel poderia aliviar rapidamente a fome no norte de Gaza se abrisse dois pontos de passagem no norte, o que se recusou a fazer.

Levy diz que o governo israelense tomou a “decisão de atingir a população civil desde o primeiro dia”.

“O primeiro anúncio que saiu [from Israel’s government] era que impediríamos a entrada de alimentos, combustível, água e electricidade em Gaza”, disse ele.

Pouca discussão na mídia israelense

O As Forças de Defesa de Israel prometeram uma investigação transparente sobre o ataque de 2 de Abril aos trabalhadores da Cozinha Central Mundial, e a liderança das FDI reiterou que a sua luta é contra o Hamas, e não contra os palestinianos comuns.

Mas alguns analistas sugerem que a ausência de muita discussão nos meios de comunicação israelitas sobre as horríveis vítimas civis palestinianas sugere que as pessoas naquele país se desligaram do sofrimento.

“Esses ‘danos colaterais’ são considerados aceitáveis”, disse Mairav ​​Zonszein, da organização sem fins lucrativos International Crisis Group, com sede em Tel Aviv.

No que diz respeito ao assassinato de trabalhadores humanitários estrangeiros, Zonszein diz que os “erros” das FDI que levam à morte de civis se tornaram comuns.

“Esses erros acontecem com tanta frequência que há claramente um problema – um problema com o funcionamento do exército”, disse Zonszein.

Lalzawmi, trabalhador humanitário da Australian World Central Kitchen (WCK) "Dez" Frankcom, que estava entre os funcionários da WCK, incluindo estrangeiros, mortos em um ataque aéreo israelense, de acordo com o escritório de mídia do governo de Gaza, administrado pelo Hamas, enquanto os militares israelenses, comentando os relatórios, disseram que estavam conduzindo uma revisão completa nos níveis mais altos para entender as circunstâncias do que chamou de incidente trágico, é visto no que se diz ser uma cozinha WCK, em um local denominado Deir Al-Balah, nesta captura de tela de um vídeo divulgado em 25 de março de 2024.
O trabalhador humanitário australiano Lalzawmi ‘Zomi’ Frankcom, à esquerda, estava entre os funcionários da World Central Kitchen mortos em um ataque aéreo israelense em Gaza em 2 de abril. (Cozinha Central Mundial/Divulgação via Reuters)

‘Algumas pessoas dormem sem comer’

Ainda não se sabe até que ponto os israelitas farão um exame de consciência sobre a condução da guerra como resultado das mortes dos sete trabalhadores de ONG. Mas o impacto imediato do ataque com mísseis sobre o comboio já se faz sentir.

Um jornalista freelancer que trabalha para a CBC News visitou uma das cozinhas fechadas do grupo na cidade de Rafah, no sul de Gaza, na terça-feira, após notícias de que o grupo estava suspendendo as operações.

ASSISTA | Chefe da cozinha comunitária em Gaza luta para encontrar ingredientes básicos:

A cozinha comunitária de Gaza passa pelo inferno para alimentar centenas de pessoas por dia

Enquanto a ONU alerta para a fome iminente em Gaza, a família Al-Madhoun criou uma cozinha comunitária ad hoc para alimentar as pessoas que vivem no norte do território devastado pela guerra. “É extremamente difícil”, diz Abu Omar Al-Madhoun. ‘Passamos pelo inferno só para conseguir berinjelas, ou batatas, ou cenouras, ou arroz.’

“Sinceramente, não sei o que farei com a minha família, mas penso que será inútil”, disse Fares El Masry, que foi deslocado da sua casa em Beit Lahia para Rafah. “Há muita gente que depende das cozinhas.”

Em um relatório do mês passado, Cozinha Central Mundial disse estava a fornecer a maior parte da ajuda das ONG em Gaza, representando 62 por cento das refeições servidas às pessoas daquela região.

Nihad Abu Kwaik, que trabalhava na cozinha WCK em Rafah, disse que as pessoas em Gaza sofrerão sem os serviços prestados pela equipe de Andrés.

“Algumas pessoas dormirão sem comida”, disse ele à CBC News.

Na noite de terça-feira, o chefe das FDI, Herzi Halevi, disse que recebeu um relatório preliminar de que o ataque à equipe da Cozinha Central Mundial foi resultado de “identificação incorreta” em “condições complexas”.

“Israel não está apenas a criar uma quebra de ordem, mas também as pessoas que tentam preenchê-la estão a ser alvo de ataques”, disse Zonszein.

“É muito difícil não ver isto como uma espécie de estratégia de utilização da ajuda como arma.”

ASSISTA | O fundador da World Central Kitchen, José Andrés, falou à CBC News em fevereiro:

O fundador da World Central Kitchen, Jose Andres, fala à CBC News em fevereiro

Andrés e a sua instituição de caridade World Central Kitchen aceitaram o desafio de entregar a ajuda alimentar desesperadamente necessária a uma Gaza ameaçada pela fome. Sete membros de sua equipe foram mortos por um ataque israelense em 1º de abril. Esta entrevista foi gravada antes do ataque.



Fuente