Um alto oficial militar ucraniano alertou que “não há nada” que possa ajudar a Ucrânia enquanto as tropas russas continuam a atacar.

Após meses de intermináveis ​​ataques russos no leste da Ucrânia, as forças de Moscovo começaram a ganhar terreno em Fevereiro, ao assumirem o controlo de Avdiivka.

Desde então, os soldados de Vladimir Putin continuaram a atacar enquanto as forças ucranianas alertavam que estavam a ficar sem munições e mão-de-obra.

Em declarações ao Politico, uma fonte militar de alto escalão da Ucrânia fez um alerta preocupante sobre o estado da guerra.

Eles disseram: “Não há nada que possa ajudar a Ucrânia agora porque não existem tecnologias sérias capazes de compensar a Ucrânia pela grande massa de tropas que a Rússia provavelmente irá lançar contra nós. Não temos essas tecnologias e o Ocidente também não as tem em número suficiente.”

LEIA MAIS: Putin emitiu um grande alerta de guerra enquanto a Ucrânia planeja explodir a ponte vital da Crimeia

Isto surge depois de o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, ter alertado que as forças de Kiev poderão ter de recuar, a menos que chegue mais ajuda militar ocidental em breve.

Ele disse ao Washington Post: “Isso significa que iremos recuar, recuar, passo a passo, em pequenos passos. Estamos tentando encontrar uma maneira de não recuar.”

O recentemente nomeado comandante-em-chefe da Ucrânia, Oleksandr Syrsky, acrescentou: “Deve-se ter em conta que as pessoas não são robôs.

“Até poucos dias atrás, a vantagem do inimigo em termos de munição disparada era de cerca de seis para um… aprendemos a lutar não pela quantidade de munição, mas pela habilidade de usar as armas disponíveis.

“Recentemente, o número de posições que recuperamos excede o número de posições perdidas. O inimigo não conseguiu avançar significativamente em direções estratégicas, seus ganhos territoriais, se houver, são de importância tática.”

Muitos na Ucrânia estão agora preocupados com a possibilidade de Donald Trump vencer as eleições nos EUA em Novembro e retirar o apoio dos EUA.

O antigo presidente não se comprometeu a apoiar a Ucrânia, recusando-se mesmo a dizer quem preferia que ganhasse a guerra.

Foi agora relatado que a NATO está a considerar enviar a Kiev um pacote de ajuda de 100 mil milhões de euros como rede de segurança no caso de Trump vencer e depois retirar o apoio.

Fuente