Engenheiro de som e produtor musical no universo do hip-hop, José Poças (nascido em Gaia), gravou como cantor um primeiro disco a solo com o nome artístico de Kap, Do Nada Nasce Tudo (2015), e um segundo como zé menos, O Chão do Parque (2019), que Francisco Noronha distinguiu no Ípsilon como “um dos grandes discos da música portuguesa” do ano de 2019.

Agora, regressa aos discos com um EP, quatro partosfeito em colaboração com Pedro o Mau e cujo lançamento está previsto para 24 de Maio. O EP terá seis temas, dos quais se estreia esta quinta-feira em exclusivo no PÚBLICO a canção arenaque, segundo o seu autor, nasceu há três anos de um impulso: “A vontade de a escrever veio no rescaldo das presidenciais de 2021. Os cravos enquanto flor/conquista que precisa de manutenção e que não a tem tido, só sendo regada por água salgada. Suor do trabalho, lágrimas.”

Nesta arenaa Grândola serve-lhe de mote. Assim: “Grândola vila morena, Grândola vila sem cor/ todos escuros nesta arena já que o sol não se quis pôr/ houve quem escondesse a lua pra nos privar de ter noite/ mas o sol sonhou com a rua, saiu sem picar o ponto”: ou ainda: “em cada esquina – um rosto cansado de não ter tempo/ em cada vida – um fosso escavado pra esconder medos/ em cada riso – bocas fechadas por não ter dentes/ em cada sina – bebe-se e espera-se que pese menos/ (em) cada tasco – suspiros capazes de fazer vento/ em cada brisa forte – vontade de não ter peso.” Música, letra e voz são de zé menos e o videoclipe é de José Magro (com Ana Meleiro e Tiago Carvalho).



Fuente