O El Niño atingiu o seu pico em Dezembro, mas ainda deverá resultar em temperaturas acima do normal até Maio.

Harare, Zimbábue:

O Zimbabué declarou a seca um desastre nacional na quarta-feira, com o Presidente Emmerson Mnangagwa a dizer que o país precisava de 2 mil milhões de dólares em ajuda para ajudar milhões de pessoas que passam fome.

Um grave período de seca induzido pelo padrão climático El Niño está a causar estragos em toda a África Austral.

“Nenhum zimbabuense deve sucumbir ou morrer de fome”, disse Mnangagwa numa conferência de imprensa.

“Para esse fim, declaro estado de desastre em todo o país, devido à seca induzida pelo El Nino.”

Devido às fracas chuvas, mais de 2,7 milhões de pessoas não terão comida suficiente para colocar na mesa este ano, disse ele.

Espera-se que a colheita de cereais desta época traga pouco mais de metade dos cereais necessários para alimentar a nação, disse ele.

O padrão climático natural El Nino, que surgiu em meados de 2023, geralmente aumenta as temperaturas globais durante um ano depois.

Atualmente está alimentando incêndios e registrando calor em todo o mundo.

Na África Austral, o Zimbabué é o terceiro país a declarar a seca uma catástrofe nacional, depois do Malawi e da Zâmbia.

A medida permite mais recursos para enfrentar a crise.

A seca também afectou a produção de electricidade, uma vez que o Zimbabué é altamente dependente da energia hidroeléctrica.

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM), o último El Niño é um dos cinco mais fortes alguma vez registados, acrescentando que o seu impacto continuará ao alimentar o calor retido na atmosfera pelos gases com efeito de estufa.

O El Nino atingiu um pico em dezembro, mas ainda deverá resultar em temperaturas acima do normal até maio em quase todas as áreas terrestres, disse a OMM.

As principais áreas de cultivo de alimentos no Malawi, Moçambique, Namíbia, Zâmbia e Zimbabué receberam apenas 80 por cento da precipitação média durante o verão do hemisfério sul, de meados de Novembro a Fevereiro, disse a Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO), alertando para um risco aumentado de insegurança alimentar.

(Esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é gerada automaticamente a partir de um feed distribuído.)

Esperando por resposta para carregar…

Fuente