A entidade independente criada em 2021 para prevenir a corrupção e promover a transparência na acção pública nunca saiu até hoje de um estado quase letárgico. O facto de esta agência, que dá pelo nome de Mecanismo Nacional Anticorrupção (Menac), ter preenchido menos de metade do quadro de pessoal condiciona a sua actuação, como reconhece o próprio organismo. Facto é que a falta de recursos humanos a obrigou a adiar os projectos educativos que deveriam ter arrancado o ano passado e também ainda não aplicou uma única multa no âmbito da fiscalização do regime geral da prevenção de corrupção, que veio obrigar médias e grandes empresas a avaliar os riscos de subornos e a adoptar códigos de conduta e manuais de boas práticas.

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue – nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.

Fuente