Em depoimento de 2023, Demirtas classificou o caso contra ele como um julgamento de “vingança”. (Representativo)

Istambul:

Um tribunal turco condenou na quinta-feira um ex-líder do partido pró-curdo HDP a 42 anos de prisão pelo seu suposto papel nos protestos mortais de 2014 que eclodiram quando os jihadistas do grupo Estado Islâmico invadiram a cidade síria de Kobane.

Já preso desde 2016, Selahattin Demirtas, 51 anos, duas vezes rival eleitoral do presidente Recep Tayyip Erdogan, foi condenado por dezenas de crimes, incluindo minar a unidade do Estado e a integridade do país.

O tribunal de Sincan, nos arredores da capital Ancara, também condenou o ex-co-presidente do HDP, Figen Yuksekdag, a 30 anos e três meses, informaram a emissora privada NTV e o grupo de direitos humanos MLSA.

O tribunal ordenou a libertação de alguns políticos, incluindo Gultan Kisanak, ex-prefeito da grande cidade pró-curda, Diyarbakir, no sudeste, mas muitos outros foram condenados à prisão.

O caso contra antigos membros do Partido Democrático Popular (HDP) – incluindo Demirtas e Yuksekdag – decorre de um dos episódios mais sombrios da guerra na Síria, que já dura mais de uma década.

Trinta e sete pessoas morreram em manifestações violentas contra a inacção do exército turco face a uma ofensiva do EI contra a cidade predominantemente curda do norte da Síria.

Os combates foram visíveis do lado turco da fronteira e muitos membros da comunidade curda do país consideraram o exército cúmplice no desastre humanitário que se seguiu.

Os jihadistas foram expulsos de Kobane em Janeiro de 2015 por combatentes curdos sírios apoiados pelos EUA, que a Turquia considera oficialmente como terroristas.

A Turquia vê o HDP como a frente política de militantes curdos ilegais que têm travado uma insurreição que ceifou dezenas de milhares de vidas desde 1984.

O HDP culpou a polícia turca pela causa das mortes.

Em depoimento de 2023, Demirtas classificou o caso contra ele como um julgamento de “vingança”.

“Não há nenhuma prova sobre mim. Este é um caso de vingança política, não fomos presos legalmente, somos todos reféns políticos”, disse ele.

Demirtas está preso na cidade de Edirne, no oeste do país, desde 2016, enfrentando vários julgamentos por acusações relacionadas ao terrorismo que os governos ocidentais consideram parte da repressão de Erdogan à dissidência política.

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos apelou repetidamente à sua libertação.

-‘Mancha preta’-

O veredicto do tribunal contra antigos líderes e membros do HDP – que enfrenta um processo judicial que pode resultar no seu encerramento – provocou protestos.

Legisladores do Partido DEM, que substituiu o HDP no parlamento, exibiram retratos de ex-líderes do partido durante uma sessão no parlamento na quinta-feira, batendo nas mesas em uma demonstração de protesto enquanto o partido usava a hashtag nas redes sociais “Kobane é nossa honra”.

O gabinete do governador de Diyarbakir proibiu qualquer protesto na cidade durante quatro dias.

O copresidente do Partido DEM, Tuncer Bakirhan, classificou o veredicto como “mancha negra na história da justiça turca”.

“Todos nós testemunhamos um massacre legal aqui hoje”, disse Bakirhan.

“Tentaram-se apagar curdos e revolucionários da cena política”, acrescentou.

Os promotores acusaram os 108 réus de “atacar a integridade do Estado” e de crimes como saques e assassinatos.

Eles buscaram uma pena de prisão perpétua agravada para 36 suspeitos, incluindo Demirtas, sob a acusação de atacar a unidade do Estado e a integridade do país.

Os advogados de defesa disseram que iriam recorrer do veredicto, que foi proferido depois de Erdogan ter falado de um “abrandamento” na política, depois do seu partido de raízes islâmicas ter sofrido uma derrota histórica nas eleições locais de 31 de março.

“A política na Turquia precisa de ser suavizada. Faremos a nossa parte como antes”, disse ele num discurso na quarta-feira.

A questão dos presos políticos, incluindo o líder da sociedade civil Osman Kavala, terá surgido durante a rara reunião de Erdogan, em 2 de Maio, com o líder da oposição CHP, Ozgur Ozel, cujo partido manteve o controlo de grandes cidades, incluindo Istambul, e obteve grandes ganhos na votação de Março.

Na quinta-feira, um tribunal de Istambul rejeitou um pedido para que Kavala fosse julgado novamente.

O filantropo nascido em Paris foi preso em outubro de 2017 e condenado à prisão perpétua em 2022 por supostamente tentar derrubar o governo de Erdogan.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Esperando por resposta para carregar…

Fuente