A Liga Árabe apelou na quinta-feira ao envio de uma força de manutenção da paz das Nações Unidas para a Faixa de Gaza e para a Cisjordânia ocupada por Israel. até que uma solução de dois Estados possa ser negociada, numa declaração que também apelou ao Conselho de Segurança da ONU para estabelecer um limite de tempo para esse processo político.

A ideia de enviar forças de manutenção da paz da ONU para o conflito israelo-palestiniano tem sido mencionada ocasionalmente por diplomatas. Mas a declaração da Liga Árabe parece ser a primeira vez que o grupo faz oficialmente tal pedido num documento escrito, segundo Farhan Haq, porta-voz da ONU.

É improvável que as forças de manutenção da paz da ONU sejam enviadas para Gaza e para a Cisjordânia num futuro próximo, porque o envio de forças de manutenção da paz da ONU para qualquer conflito requer primeiro a autorização do Conselho. As forças da ONU, que normalmente provêm das forças armadas de vários países, não entram em zonas de batalha activas e não se envolvem em combates. Tanto Israel como o Hamas também teriam de concordar em ter forças de manutenção da paz da ONU no terreno.

“Primeiro é preciso haver paz para manter”, disse Haq. “Não entramos em combate activo e as próprias partes têm de concordar em permitir a presença de forças de manutenção da paz. Não entramos como força inimiga ou como força de ocupação.”

A proposta surgiu como parte de uma declaração final emitida pela liga depois que os seus 22 membros se reuniram na quinta-feira em Manama, Bahrein, uma cimeira dominada pela discussão sobre a guerra em Gaza.

Além de apelar a um cessar-fogo imediato e acusar Israel de obstruir esses esforços, a Liga Árabe apelou “ao envio de forças de protecção internacional e de manutenção da paz das Nações Unidas para o território palestiniano ocupado até que a solução de dois Estados seja implementada”.

As Nações Unidas, disse Haq, estariam dispostas a tomar outras medidas exigidas pela Liga Árabe, como organizar ou liderar uma conferência em prol da paz e do cessar-fogo no conflito. Mas nenhum plano definido foi discutido ainda, disse ele.

Questionado sobre se os Estados Unidos apoiariam o envio de forças de manutenção da paz da ONU, um porta-voz do Departamento de Estado, Vedant Patel, disse aos jornalistas em Washington que trazer “forças de segurança adicionais” poderia potencialmente comprometer a campanha de Israel para desmantelar o Hamas.

A declaração da Liga Árabe, divulgada pela mídia estatal do Bahrein, também reiterou a posição do grupo de que uma solução de dois Estados deveria se basear nas fronteiras que existiam antes da guerra árabe-israelense de 1967. O grupo disse que o Conselho não deveria apenas tomar “medidas claras” para implementar tal solução, mas também estabelecer um prazo para fazê-lo.

Num discurso na cimeira na quinta-feira, António Guterres, o secretário-geral da ONU, disse que uma solução de dois Estados era “a única forma permanente de acabar com o ciclo de violência e instabilidade”.

“A guerra em Gaza é uma ferida aberta que ameaça infectar toda a região”, disse Guterres, acrescentando que “nada” poderia justificar os ataques de 7 de Outubro liderados pelo Hamas a Israel ou a “punição colectiva do povo palestiniano”. ”

O apelo da Liga Árabe por forças de manutenção da paz da ONU surgiu no meio de um debate acalorado sobre como Gaza deveria ser governada após a guerra. As negociações sobre um cessar-fogo foram complicadas pela invasão terrestre de Rafah por Israel. Já estavam paralisados ​​por fortes divergências entre Israel e o Hamas sobre quanto tempo deveria durar uma trégua e os termos de uma troca de reféns para prisioneiros e detidos palestinianos.

Fuente