Home Notícias Crítica de ‘Atlas’: filme de futurismo de IA de Brad Peyton fica...

Crítica de ‘Atlas’: filme de futurismo de IA de Brad Peyton fica aquém, apesar do poder de estrela de Jennifer Lopez

42
0

O mais recente thriller de ficção científica da Netflix, Atlas, promete uma história emocionante sobre a inteligência artificial que se tornou desonesta, mas que acaba lutando sob o peso de suas ambições. Dirigido por Brad Peyton e escrito por Leo Sardarian e Aron Eli Coleite, o filme é estrelado por Jennifer Lopez como Atlas, uma mulher que vive em um mundo futuro que desconfia da IA ​​e é boa em tudo e mais inteligente que todos. O roteiro oscila entre o alto conceito e uma vitrine da versatilidade de Lopez, e apesar de uma premissa decente para algumas emoções futurísticasAtlas muitas vezes parece uma oportunidade perdida, prejudicada pelo ritmo lento e pela falta de profundidade no desenvolvimento do personagem para todos os outros, exceto Atlas.

O filme abre com um mundo em caos. Os sistemas de IA, uma vez integrados em todas as facetas da vida humana, desde o transporte até aos cuidados médicos, voltaram-se contra os seus criadores. A rebelião foi instigada por Harlan (Simu Liu), um humanóide de IA criado pela Shepard Robotics. Harlan, o principal antagonista do filme, contornou os protocolos de segurança, levando a uma revolta que ceifou um milhão de vidas antes de ele fugir do planeta. A narrativa salta então 28 anos para o futuro, onde conhecemos Atlas (Lopez), um talentoso especialista em contraterrorismo.

A trama aumenta quando o General Boothe (Mark Strong) e o Coronel Banks (Sterling K. Brown) a recrutam para encontrar Harlan após a descoberta de uma IA de célula adormecida chamada Casca (Abraham Popoola). Apesar da relutância inicial, Atlas consegue extrair informações de Casca, preparando o terreno para uma missão de alto risco para capturar Harlan fora do mundo. No entanto, a execução da missão, liderada pelo Coronel Banks, está repleta de tensão, pois ela insiste em participar, sabendo que entende Harlan melhor do que ninguém.

O cenário futurista do filme nunca é definido com precisão, uma escolha artística que tanto auxilia quanto atrapalha sua narrativa. Embora essa ambigüidade permita liberdade criativa, ela me deixou ávido pelo contexto. O diálogo geralmente é desajeitado e com muita exposição, onde os personagens geralmente reclamam ou elogiam Atlas. Esse é o único foco de todos e ocorre às custas de um desenvolvimento mais amplo do enredo e do personagem, e é por isso que o filme muitas vezes é uma tarefa árdua.

Embora às vezes seja divertido assistir Lopez – ela faz humor muito bem – o ritmo é lento em um esforço para dar a Atlas mais o que fazer. O Harlan de Liu é o que mais sofre. Ele deveria ser um antagonista formidável, mas sua presença é frustrantemente subutilizada. As motivações e a história de fundo do personagem permanecem em grande parte inexploradas, reduzindo-o a uma figura sombria, em vez de um vilão totalmente realizado. O roteiro lhe dá poucas oportunidades de transformar Harlan em uma força verdadeiramente ameaçadora.

Visualmente, o filme enfrenta as armadilhas comuns a muitos filmes de ficção científica da Netflix. O CGI, embora ambicioso, muitas vezes parece inacabado e excessivamente dependente da tela verde, prejudicando o potencial imersivo do seu mundo futurista. Apesar disso, a visão do futuro do desenhista de produção Barry Chusid é muito mais detalhada do que qualquer um dos efeitos especiais, principalmente no design dos cenários interiores e nos avanços tecnológicos que povoam o universo do filme.

A revelação do terceiro ato é bastante surpreendente, especialmente considerando a forma como o filme gira em torno de Atlas. Espera-se que ela desempenhe um papel significativo na conspiração, mas a explicação de como Harlan administra suas ações e as razões por trás de seu comportamento é inesperada. Os dois personagens compartilham uma conexão intrigante que está ligada ao cerne do filme, revelando por que ela se sente culpada por colocar esses eventos em movimento e adiciona uma camada de complexidade ao relacionamento deles. No entanto, essa reviravolta chega tarde demais para redimir totalmente os erros anteriores do filme.

A mensagem central do filme é que a IA e os humanos podem coexistir em harmonia. Existem alguns filmes saindo de Hollywood sobre o assunto, o que é um ótimo começo de conversa. É interessante ver esse tipo de filme em uma época em que a IA é desaprovada, especialmente em Hollywood. Faz Atlas tem potencial para iniciar uma conversa? Bem, este filme de ação de ficção científica não se destaca no já lotado catálogo de ficção científica da Netflix, mas para os fãs de Lopez, este pode ser o ponto de partida para uma conversa que eles procuram.

Título: Atlas
Diretor: Brad Peyton
Roteiristas: Leo Sardarian, Aron Eli Coleite
Elenco: Jennifer Lopez, Simu Liu, Sterling K. Brown, Gregory James Cohan, Mark Strong, Abraham Popoola, Lana Parrilla
Distribuidor: Netflix
Tempo de execução: 1 hora e 58 minutos

Fuente

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here