Home Mundo Diddy é acusado de estupro e exige que mulher faça sexo com...

Diddy é acusado de estupro e exige que mulher faça sexo com a ex Kim Porter em novo processo

55
0

Sean “Diddy” Pentes foi alvo de outro processo, desta vez por April Lampros, que afirma que o rapper a estuprou e a forçou a fazer sexo com a então namorada de Diddy, Kim Porterhá quase 30 anos.

A ação, movida há pouco dias depois que a modelo Crystal McKinney acusou Diddy de agressão sexual, detalha as experiências de Lampros com o magnata da música em apuros. Lampros alega que Diddy a agrediu sexualmente várias vezes na cidade de Nova York durante os anos 1990 e início dos anos 2000.

Segundo Lampros, o primeiro suposto incidente ocorreu em 1995, quando ela era uma estudante de 22 anos do Fashion Institute of Technology. Ela afirma que conheceu Diddy em um bar do SoHo, onde ele se ofereceu para ser seu mentor. Depois de ficar “muito embriagado”, Lampros afirma que Diddy a levou ao Hotel Millennium e a agrediu sexualmente em seu quarto.

Um ano depois, Lampros alega que Diddy a coagiu a fazer sexo com Porter. O processo afirma que Diddy “exigiu” que Lampros e Porter “tivessem relações sexuais”. Apesar de sua oposição vocal, Lampros alega que Diddy ameaçou sua segurança no emprego, afirmando que tinha o poder de fazê-la perder o emprego. O incidente supostamente aumentou com Diddy se masturbando enquanto observava as duas mulheres antes de estuprar Lampros.

“Fiquei enojado, envergonhado e envergonhado e não conseguia acreditar no que tinha acontecido”, escreveu Lampros em seu processo. Ela afirma ainda que Porter, ressentido com a situação, fez com que Lampros fosse demitido de seu emprego como bartender. Porter supostamente avisou o chefe da Lampros que Diddy poderia encerrar o negócio se a Lampros não fosse encerrada imediatamente.

ET entrou em contato com Diddy para comentar.

O processo também alega que Diddy atacou Lampros várias vezes entre os anos 1990 e o início dos anos 2000, inclusive durante seu relacionamento altamente divulgado com Jennifer Lopez. Lampros forneceu detalhes explícitos sobre a anatomia de Diddy em seus documentos judiciais, descrevendo-o como “adolescente tanto em comprimento quanto em largura” e afirmando que ele foi circuncidado e tinha uma tatuagem no peito.

Lampros afirma que Diddy a “atraiu de volta” após o suposto ataque inicial em 1995 com um bilhete de Dia dos Namorados e flores em 1996. Após esses presentes, ela afirma que concordou em encontrar Diddy novamente, durante o qual ele supostamente a forçou a fazer sexo oral nele fora de uma garagem. Este alegado incidente marcou o início do que Lampros descreve como uma relação “agressiva” e “coercitiva”.

Numa declaração ao ET, Lamros disse: “Estou confiante de que a justiça prevalecerá e o véu será removido para que nenhuma outra mulher tenha que suportar o que eu fiz”.

Isto é agora o sétimo processo de agressão sexual Diddy está enfrentando. Era um cantor de R&B Cássia VenturaO processo judicial de Diddy em novembro que desencadeou os problemas jurídicos de Diddy. Meses depois daquele processo inicial, que as partes resolveram “amigavelmente” menos de 24 horas depoisimagens de segurança surgiram na semana passada – publicado pela CNN – mostrando Diddy agredindo fisicamente Cassie no corredor de um hotel em Los Angeles. O vídeo, completo com vários ângulos de câmera, foi datado de 5 de março de 2016.

Desde então, Diddy quebrou o silêncio após o vídeo e disse que aceita “total responsabilidade” por suas ações no vídeo.

Em comunicado postado no Instagram na manhã de quinta-feira, Cássia comentou no vídeo, dizendo: “Obrigado por todo o amor e apoio de minha família, amigos, estranhos e daqueles que ainda não conheci”.

Cassie, 37, compartilhou que ver a “efusão de amor” permitiu que seu “eu mais jovem se acalmasse e se sentisse seguro”.

Ela continuou dizendo que a resposta é “apenas o começo”, observando que a violência doméstica “me transformou em alguém que nunca pensei que me tornaria”.

A cantora de “Me & You” escreveu que embora esteja “melhor hoje” graças ao seu trabalho árduo, “estarei sempre me recuperando do meu passado”.

Diddy não está apenas envolvido em vários processos judiciais, mas também no centro de uma investigação federal que parece estar ligado a alegações de tráfico sexual. O advogado do magnata do rap negou as reivindicações contra o artista enquanto condena as táticas da aplicação da lei após uma invasão nas casas de Diddy em Los Angeles e Miami.

Se você ou alguém que você conhece está sofrendo violência doméstica, ligue para a Linha Direta Nacional de Violência Doméstica em 1-800-799-7233ou vá para thehotline.org. Todas as ligações são gratuitas e confidenciais.

CONTEÚDO RELACIONADO:

Fuente

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here