Home Notícias Fyodor Lukyanov: A morte do seu presidente levará a um Irão diferente?

Fyodor Lukyanov: A morte do seu presidente levará a um Irão diferente?

45
0

O falecimento chocante de Ebrahim Raisi desperta pensamentos fatalistas em um momento perigoso para a região

As trágicas mortes do Presidente do Irão, Ebrahim Raisi, e do Ministro dos Negócios Estrangeiros, Hossein Amir-Abdollahian, despertaram novamente pensamentos fatalistas sobre as reviravoltas do destino. Há a suspeita inevitável de que alguém “ajudou” o helicóptero cai. A verdade acabará por ser descoberta, mas por enquanto só podemos recordar que, há 14 anos, a queda do avião do Presidente polaco Lech Kaczynski perto de Smolensk parecia tão improvável que era impossível acreditar que fosse uma mera coincidência de circunstâncias. Tudo acabou por ser mais simples e mundano, embora os paranóicos associados de Kaczynski ainda insistam que foi um ataque terrorista. Mas esta é uma questão clínica.

O Irão é um país chave na Ásia Ocidental. Quase todos os processos mais importantes naquela parte do mundo estão ligados a Teerão de uma forma ou de outra – ou está directamente envolvido ou influencia-os. A estabilidade do Estado iraniano é um dos factores mais importantes no equilíbrio regional; alguns gostam, outros não, mas todos reconhecem. Portanto, a primeira questão é se a convulsão poderá levar a uma instabilidade interna que se repercutirá. Os especialistas iranianos apresentarão argumentos bem fundamentados, mas para um observador externo, como o autor destas linhas, o sistema parece bastante resistente a tais acontecimentos. No sistema de governo iraniano, o presidente não é o chefe de estado (ele é um líder espiritual), mas o chefe do executivo, algo como um primeiro-ministro, não de natureza tecnocrática, mas de natureza política.




O presidente é eleito por voto popular, mas este é precedido por uma fase de triagem ideológica e eliminação de candidatos inaceitáveis ​​para os guardiões políticos. Desta forma, o pluralismo eleitoral é respeitado, mas a diversidade é limitada pelo quadro aprovado. Isso cumpre a tarefa de evitar curvas fechadas. É importante notar que as eleições presidenciais (bem como as parlamentares) não são um processo de aprovação de candidatos seleccionados, que existe competição e luta reais, e o resultado nem sempre é o que o poder clerical supremo prefere. Assim, tanto o Presidente Khatami na década de 1990 como o Presidente Ahmadinejad na década de 2000, opostos ideológicos, foram eleitos contra as expectativas do grupo dominante.

No entanto, não provocou choques porque os extremos já tinham sido eliminados. E agora no Irão, como na maioria dos países do mundo actualmente, a capacidade de alcançar o resultado desejado sem distorções eleitorais flagrantes está a melhorar.

No entanto, o panorama político do Irão é heterogéneo, como em qualquer país grande e influente. Graças a um complexo sistema de gestão e controlo e a uma certa duplicação de funções, o aparelho de Estado é bastante resistente a choques como o que acaba de ocorrer. Não há vácuo de poder. Contudo, a mesma complexidade e a presença de grupos com interesses diferentes (por vezes muito diferentes) aumentam os riscos de perturbação do equilíbrio interno. Especialmente porque a situação interna no Irão está, para dizer o mínimo, longe do ideal. A fadiga de parte da população activa com o regime teocrático e as suas restrições, por um lado, o impacto negativo das sanções dos EUA sobre o desenvolvimento, por outro, e o aumento geral da ansiedade à medida que a região se torna um centro de agitação internacional, todos criar condições potenciais para que a situação se desfaça. E neste sentido, qualquer desenvolvimento imprevisto acarreta riscos. Até que ponto alguém deseja explorá-los ficará claro num futuro próximo.


Teerã revela mais detalhes do acidente de Raisi

As relações entre o Irão e Israel, os dois principais rivais regionais, tornaram-se não só o cerne da política do Médio Oriente, mas também um factor de importância global. O confronto é irreconciliável e não há saída, mesmo hipoteticamente. É natural que estes dois países apareçam no contexto nuclear – Israel como possuidor de facto de armas e o Irão como potência capaz de as produzir. Isto sublinha o estatuto destes dois actores, que é diferente mesmo de estados tão importantes como a Turquia ou a Arábia Saudita. Apesar do discurso contundente, o Irão e Israel agiram com cautela. Como demonstrou a recente troca de golpes, nenhum dos dois quer ir mais longe, pelo menos não ainda. Mas dentro do “linhas vermelhas” entendida pelas partes, a rivalidade é feroz. E o encorajamento mútuo da instabilidade interna é a norma. A situação entre o Irão e os EUA é semelhante, embora aqui a capacidade de compromisso das partes seja um pouco maior. Isto foi demonstrado na última década, durante as negociações sobre o programa nuclear do Irão, mas depois tudo ruiu.

Para a liderança iraniana, o mais importante agora é convencer o seu próprio povo e os observadores externos de que a estabilidade do sistema está intacta e que está a funcionar normalmente. Não se devem esperar mudanças na política externa, já que o leme está nas mãos do líder espiritual, Ali Khamenei. Ajustes situacionais são possíveis. Para a Rússia, a morte de Raisi é um acontecimento particularmente triste, porque o presidente era solidário com o nosso país e estava determinado a trabalhar em estreita colaboração connosco. Mas nenhum líder iraniano permitirá uma ruptura com Moscovo. É também verdade que os interesses do Irão e da Rússia não coincidem em todas as áreas, e qualquer homem de topo em Teerão defenderá firmemente as suas próprias posições.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

Fuente

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here