Home Tecnologia Recém-ingressado: Tribunal impede a reintegração de Sanusi Lamido como Kano Emir

Recém-ingressado: Tribunal impede a reintegração de Sanusi Lamido como Kano Emir

48
0

Um desenvolvimento significativo ocorreu na saga em curso em torno do Conselho do Emirado do Estado de Kano, quando um Supremo Tribunal Federal em Kano emitiu uma ordem impedindo o Governo do Estado de Kano de aplicar a Lei de Revogação do Conselho do Emirado do Estado de Kano.

Esta medida ocorre depois de Alhaji Aminu Babba Dan Agundi, o Sarkin Dawaki Babba do Emirado de Kano, ter apresentado um pedido visando suspender a aplicação da lei.

A Assembleia do Estado de Kano já havia dissolvido todos os quatro conselhos dos emirados recém-criados no estado, uma medida que foi uma sequência das deliberações no plenário da Câmara durante o plenário.

Esta dissolução foi resultado da revogação da Lei dos Emires do Estado de Kano (Nomeação e Deposição), que criou os Emirados Rano, Karaye, Gaya e Bichi, além de Kano.

Num movimento surpresa o Governador do Estado de Kano Abba Yusuf renomeado Lamido Sanusi como Emir de Kano, quatro anos depois de ter sido destronado pelo ex-governador do estado, Umar Ganduje.

O governador também depôs cinco emires nomeados por Ganduje e deu-lhes um ultimato de 48 horas para desocuparem as suas residências e palácios oficiais.

Ele os instruiu a entregar todos os assuntos ao Comissário para Assuntos de Governo Local e Chefia.

No último processo relativo à sede do Emir, os réus no caso dos direitos fundamentais são o Governo do Estado de Kano, a Câmara da Assembleia, o Presidente, o Procurador-Geral, o Comissário da Polícia, o Inspector-Geral da Polícia, a Segurança da Nigéria e Corpo de Defesa Civil e Serviço de Segurança do Estado.

O juiz Mohammed Liman concedeu a ordem, afirmando: “Que as partes são obrigadas a manter o status quo antes da aprovação e aprovação do projeto de lei enquanto se aguarda a audiência da aplicação dos direitos fundamentais.”

Ele também governou: “Que, tendo em conta as questões constitucionais e jurisdicionais aparentes no pedido, as partes deverão dirigir-se ao tribunal sobre o mesmo na audiência do pedido de direitos fundamentais, que está marcada para 3 de junho de 2024.”

O juiz afirmou ainda: “Que, a fim de manter a paz e a segurança do estado, uma liminar deste Honorável Tribunal é concedida restringindo o quinto a oito réus (CP, IGP, NSCDC e DSS) de fazer cumprir, executar, implementar e operacionalizar o Estado de Kano Lei (Revogação) do Conselho do Emirado.”

Ele concluiu: “Que as partes são obrigadas a manter o status quo antes da aprovação e aprovação do projeto de lei enquanto se aguarda a audiência da aplicação dos Direitos Fundamentais.”

Notícias Naija informa que o processo foi adiado para 3 de junho de 2024, para audiência do pedido de direitos fundamentais.

Fuente

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here