Home Esportes Tribunal da ONU ordena que Israel interrompa a ofensiva de Rafah

Tribunal da ONU ordena que Israel interrompa a ofensiva de Rafah

Tribunal da ONU ordena que Israel interrompa a ofensiva de Rafah

O Tribunal Internacional de Justiça decidiu na sexta-feira que Israel deve interromper imediatamente a sua ofensiva militar na cidade de Rafah, no sul de Gaza, desferindo mais um golpe no país, que enfrenta um crescente isolamento internacional.

O tribunal não tem meios de fazer cumprir as suas ordens e Israel disse que a linguagem da decisão deixa alguma margem para interpretação. Os políticos linha-dura em Israel juraram imediatamente que Israel não cumpriria.

Ainda assim, a decisão de 13 votos a 2 coloca mais pressão sobre o governo de Netanyahu sobre a condução da guerra. As autoridades de Gaza afirmam que pelo menos 35 mil pessoas foram mortas, sem distinguir entre combatentes e civis, e centenas de milhares foram forçados a fugir repetidamente para evitar o bombardeamento israelita, que devastou a maior parte do enclave.

“O tribunal considera que, em conformidade com as obrigações decorrentes da Convenção do Genocídio, Israel deve suspender imediatamente a sua ofensiva militar e qualquer outra ação na província de Rafah, que possa infligir ao grupo palestino em Gaza condições de vida que possam provocar a sua destruição física. no todo ou em parte”, disse o presidente do tribunal, Nawaf Salam, ao ler a decisão.

A decisão é a mais recente de uma série de repreensões a Israel pela condução da sua guerra contra o Hamas na Faixa de Gaza.

O tribunal enfatizou a necessidade de “a prestação desimpedida e em grande escala, por todos os envolvidos, de serviços básicos e assistência humanitária urgentemente necessários”, incluindo a manutenção de passagens terrestres abertas e, em particular, a passagem de Rafah, que Israel capturou há mais de duas semanas. Ordenou a Israel que “tomasse imediatamente todas as medidas eficazes para garantir e facilitar o acesso desimpedido” dos investigadores das Nações Unidas a Gaza. Os juízes também ordenaram que Israel apresentasse um relatório sobre as medidas tomadas para implementar a decisão no prazo de um mês.

Uma equipa jurídica sul-africana instou o TIJ, o tribunal superior das Nações Unidas, na semana passada a impor mais restrições à incursão de Israel em Rafah, dizendo que era “o último passo na destruição de Gaza e do seu povo”.

Os militares de Israel afirmaram que desde o início de Maio têm conduzido uma ofensiva precisa e direccionada contra o Hamas em Rafah, e estão a combater em bairros próximos do centro da cidade. Mais de um milhão de pessoas que fugiram de outras partes de Gaza estavam abrigadas em Rafah, mas a maioria fugiu este mês.

O procurador-geral adjunto de Israel para o direito internacional, Gilad Noam, e outros advogados israelitas rejeitaram as alegações apresentadas ao tribunal na semana passada, chamando o caso da África do Sul de uma “inversão da realidade”.

Num comunicado, o governo israelita disse que os seus militares “não tomaram e não irão” tomar medidas que possam levar à destruição parcial ou total da população civil de Rafah. Com efeito, afirmou que a decisão do tribunal não tem qualquer influência na ofensiva de Israel porque os militares não estão a cometer os actos proibidos.

Imagens de satélite de Rafah de 22 de maio mostraram danos e desmatamentos atingindo cerca de seis quilômetros em Gaza, da fronteira com Israel até o centro de Rafah.

Alguns aliados de extrema direita do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu denunciaram a ordem judicial e sugeriram que Israel não deveria cumpri-la. “Deveria haver uma resposta: a conquista de Rafah, a escalada da pressão militar e a destruição total do Hamas até à obtenção da vitória total”, disse Itamar Ben-Gvir, o ministro da Segurança Nacional, num comunicado.

Adil Haque, professor de direito na Rutgers Law School, disse que a decisão restringe a ofensiva de Israel em Rafah e arredores, mas deixa algum espaço para se defender.

“As operações militares em grande escala em Rafah ou nos arredores estão provavelmente fora de questão porque levarão à morte em massa e ao deslocamento de civis”, disse ele. “Mas as operações direcionadas para responder especificamente ao lançamento de foguetes ou para resgatar reféns, em princípio, ainda deveriam estar sobre a mesa.”

“Israel pode seguir o caminho legalmente seguro e manter as suas operações estritamente limitadas”, acrescentou, “ou pode seguir o caminho legalmente arriscado e testar a paciência do tribunal”.

Dire Tladi, um juiz sul-africano do tribunal, esclareceu num parecer separado que “acções defensivas legítimas, dentro dos limites estritos do direito internacional, para repelir ataques específicos”, seriam consistentes com a decisão do tribunal. Mas “a continuação da operação militar ofensiva em Rafah e noutros locais” não o faria.

A África do Sul argumentou que o controlo de Israel sobre as duas principais passagens fronteiriças no sul de Gaza, em Rafah e Kerem Shalom, impediu a entrada de ajuda suficiente, mergulhando Gaza em “níveis sem precedentes de necessidades humanitárias”. Poucos camiões de ajuda estão a entrar, segundo dados da ONU, mas muitos camiões comerciais – que transportam mercadorias para vender em vez de distribuir gratuitamente – entraram no enclave.

As audiências fazem parte do caso da África do Sul, apresentado em Dezembro, acusando Israel de genocídio, o que Israel nega veementemente. No final de Janeiro, o tribunal ordenou que Israel fizesse mais para evitar actos de genocídio, mas não chegou a pedir um cessar-fogo. A parte principal do caso, que trata do genocídio, só deverá começar no próximo ano.

Em Março, na sua linguagem mais forte até então, o tribunal ordenou que Israel parasse de obstruir a ajuda humanitária a Gaza à medida que a fome severa se espalhava, abrisse mais passagens fronteiriças para abastecimentos e fornecesse “cooperação total” com as Nações Unidas.

O juiz Salam disse que a situação em Gaza se deteriorou desde março e agora “será caracterizada como desastrosa”.

Israel lançou a sua operação militar em retaliação aos ataques de 7 de Outubro que, segundo as autoridades, mataram 1.200 pessoas e levaram ao rapto de cerca de 250 outras para Gaza. O tribunal reiterou o seu apelo à “libertação imediata e incondicional” dos reféns ainda detidos pelo Hamas e outros grupos armados em Gaza.

Lauren Leatherby relatórios contribuídos.

Fuente