Home Entretenimento Vladimir Putin está pronto para o cessar-fogo na Ucrânia nas atuais linhas...

Vladimir Putin está pronto para o cessar-fogo na Ucrânia nas atuais linhas de frente: relatório

40
0

A perspectiva de um cessar-fogo, ou mesmo de conversações de paz, parece actualmente remota. (Arquivo)

Moscou:

O presidente russo, Vladimir Putin, está pronto para interromper a guerra na Ucrânia com um cessar-fogo negociado que reconheça as atuais linhas do campo de batalha, disseram quatro fontes russas à Reuters, dizendo que ele está preparado para continuar lutando se Kiev e o Ocidente não responderem.

Três das fontes, familiarizadas com as discussões na comitiva de Putin, disseram que o veterano líder russo expressou frustração a um pequeno grupo de conselheiros sobre o que ele vê como tentativas apoiadas pelo Ocidente de impedir as negociações e a decisão do presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, de descartar as negociações.

“Putin pode lutar o tempo que for necessário, mas Putin também está pronto para um cessar-fogo – para congelar a guerra”, disse outro dos quatro, uma importante fonte russa que trabalhou com Putin e tem conhecimento de conversas de alto nível no Kremlin.

Ele, assim como os demais citados nesta matéria, falou sob condição de anonimato dada a delicadeza do assunto.

Para este relato, a Reuters conversou com um total de cinco pessoas que trabalham ou trabalharam com Putin em alto nível nos mundos político e empresarial. A quinta fonte não comentou o congelamento da guerra nas atuais linhas de frente.

O porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, em resposta a um pedido de comentário, disse que o chefe do Kremlin deixou repetidamente claro que a Rússia estava aberta ao diálogo para alcançar os seus objetivos, dizendo que o país não queria uma “guerra eterna”.

Os ministérios das Relações Exteriores e da Defesa da Ucrânia não responderam às perguntas.

A nomeação, na semana passada, do economista Andrei Belousov como ministro da Defesa da Rússia foi vista por alguns analistas militares e políticos ocidentais como uma forma de colocar a economia russa em pé de guerra permanente, a fim de vencer um conflito prolongado.

Seguiu-se à pressão sustentada no campo de batalha e aos avanços territoriais da Rússia nas últimas semanas.

No entanto, as fontes disseram que Putin, reeleito em Março para um novo mandato de seis anos, preferiria aproveitar o actual ímpeto da Rússia para deixar a guerra para trás. Eles não comentaram diretamente sobre o novo ministro da Defesa.

Com base no seu conhecimento das conversas nos escalões superiores do Kremlin, duas das fontes disseram que Putin era da opinião de que os ganhos na guerra até agora foram suficientes para vender uma vitória ao povo russo.

O maior conflito terrestre da Europa desde a Segunda Guerra Mundial custou dezenas de milhares de vidas de ambos os lados e levou a amplas sanções ocidentais à economia da Rússia.

Três fontes disseram que Putin entendia que quaisquer novos avanços dramáticos exigiriam outra mobilização nacional, o que ele não queria, com uma fonte, que conhece o presidente russo, dizendo que a sua popularidade caiu após a primeira mobilização em Setembro de 2022.

A convocação nacional assustou parte da população da Rússia, fazendo com que centenas de milhares de homens em idade militar deixassem o país. As pesquisas mostraram que a popularidade de Putin caiu vários pontos.

Peskov disse que a Rússia não precisava de mobilização e, em vez disso, estava recrutando prestadores de serviços voluntários para as forças armadas.

A perspectiva de um cessar-fogo, ou mesmo de conversações de paz, parece actualmente remota.

Zelenskiy disse repetidamente que a paz nos termos de Putin é um fracasso. Ele prometeu retomar territórios perdidos, incluindo a Crimeia, que a Rússia anexou em 2014. Ele assinou um decreto em 2022 que declarou formalmente qualquer conversação com Putin “impossível”.

Uma das fontes previu que nenhum acordo poderia acontecer enquanto Zelenskiy estivesse no poder, a menos que a Rússia o ignorasse e fechasse um acordo com Washington. No entanto, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, falando em Kiev na semana passada, disse aos jornalistas que não acreditava que Putin estivesse interessado em negociações sérias.

CONVERSAS SUÍÇAS

A Ucrânia está a preparar-se para conversações organizadas pela Suíça no próximo mês, com o objectivo de unificar a opinião internacional sobre como acabar com a guerra. As conversações foram convocadas por iniciativa de Zelenskiy, que disse que Putin não deveria comparecer. A Suíça não convidou a Rússia.

Moscou disse que as negociações não são credíveis sem a sua presença. A Ucrânia e a Suíça querem que os aliados russos, incluindo a China, participem.

Falando na China em 17 de maio, Putin disse que a Ucrânia pode usar as conversações suíças para conseguir que um grupo mais amplo de países apoie a exigência de Zelenskiy de uma retirada total da Rússia, o que Putin disse que seria uma condição imposta e não uma negociação de paz séria.

O Ministério das Relações Exteriores da Suíça não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

“Estamos prontos para a discussão. Nunca recusamos”, disse Putin na China.

O Kremlin diz que não comenta o progresso do que chama de operação militar especial na Ucrânia, mas afirmou repetidamente que Moscovo está aberto à ideia de conversações baseadas nas “novas realidades no terreno”.

Em resposta às perguntas para esta história, um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse que qualquer iniciativa para a paz deve respeitar a “integridade territorial da Ucrânia, dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas” e descreveu a Rússia como o único obstáculo à paz na Ucrânia.

“O Kremlin ainda não demonstrou qualquer interesse significativo em acabar com a sua guerra, muito pelo contrário”, disse o porta-voz.

No passado, Kiev rejeitou a suposta disponibilidade da Rússia para dialogar como uma tentativa de lhe atribuir a culpa pela guerra.

Kiev diz que Putin, cuja equipa negou repetidamente que estivesse a planear uma guerra antes de invadir a Ucrânia em 2022, não é confiável para honrar qualquer acordo.

Tanto a Rússia como a Ucrânia também disseram temer que o outro lado utilize qualquer cessar-fogo para se rearmar.

Kiev e os seus apoiantes ocidentais estão a apostar num pacote de ajuda dos EUA de 61 mil milhões de dólares e em ajuda militar europeia adicional para reverter o que Zelenskiy descreveu à Reuters esta semana como “um dos momentos mais difíceis” da guerra em grande escala.

Além da escassez de munições após os atrasos dos EUA na aprovação do pacote, a Ucrânia admitiu que está a ter dificuldades para recrutar tropas suficientes e, no mês passado, reduziu a idade para os homens que podem ser convocados para 25 anos, em vez de 27 anos.

TERRITÓRIO

A insistência de Putin em garantir quaisquer ganhos no campo de batalha num acordo não é negociável, sugeriram todas as fontes.

Putin estaria, no entanto, pronto para se contentar com as terras que possui agora e congelar o conflito nas atuais linhas de frente, disseram quatro das fontes.

“Putin dirá que ganhámos, que a NATO nos atacou e mantivemos a nossa soberania, que temos um corredor terrestre para a Crimeia, o que é verdade”, disse um deles, fazendo a sua própria análise.

Congelar o conflito nos moldes actuais deixaria a Rússia na posse de partes substanciais de quatro regiões ucranianas que incorporou formalmente na Rússia em Setembro de 2022, mas sem controlo total de nenhuma delas.

Tal acordo ficaria aquém dos objectivos que Moscovo estabeleceu para si na altura, quando afirmou que as quatro regiões da Ucrânia – Donetsk, Luhansk, Zaporizhzhia e Kherson – agora lhe pertenciam na sua totalidade.

Peskov disse que não poderia haver a possibilidade de devolver as quatro regiões que agora faziam parte permanentemente da Rússia, de acordo com a sua própria constituição.

Outro factor que influencia a opinião do chefe do Kremlin de que a guerra deve terminar é que quanto mais ela se arrasta, mais veteranos endurecidos pela batalha regressam à Rússia, insatisfeitos com as perspectivas de emprego e rendimento do pós-guerra, criando potencialmente tensões na sociedade, disse um dos as fontes, que trabalharam com Putin.

‘A RÚSSIA VAI IMPULSAR MAIS’

Em Fevereiro, três fontes russas disseram à Reuters que os Estados Unidos rejeitaram uma sugestão anterior de Putin de um cessar-fogo para congelar a guerra.

Na ausência de um cessar-fogo, Putin quer tomar o máximo de território possível para aumentar a pressão sobre a Ucrânia, ao mesmo tempo que procura explorar oportunidades inesperadas para adquirir mais território, disseram três das fontes.

As forças russas controlam cerca de 18% da Ucrânia e este mês avançaram para a região nordeste de Kharkiv.

Putin conta com a grande população da Rússia, em comparação com a Ucrânia, para sustentar uma mão-de-obra superior, mesmo sem mobilização, reforçada por pacotes de pagamento extraordinariamente generosos para aqueles que se inscreverem.

“A Rússia irá avançar ainda mais”, disse a fonte que trabalhou com Putin.

Putin conquistará territórios lentamente até que Zelenskiy apresente uma oferta para parar, disse a fonte, dizendo que o líder russo expressou a opinião de assessores de que o Ocidente não forneceria armas suficientes, minando o moral da Ucrânia.

Os líderes dos EUA e da Europa disseram que apoiarão a Ucrânia até que a sua soberania de segurança seja garantida. Os países e aliados da NATO dizem que estão a tentar acelerar as entregas de armas.

“A Rússia poderia acabar com a guerra a qualquer momento retirando as suas forças da Ucrânia, em vez de continuar a lançar ataques brutais contra as cidades, portos e pessoas da Ucrânia todos os dias”, disse o Departamento de Estado em resposta a uma pergunta sobre o fornecimento de armas.

Todas as cinco fontes disseram que Putin disse aos conselheiros que não tinha planos para o território da NATO, reflectindo os seus comentários públicos sobre o assunto. Duas das fontes citaram preocupações russas sobre o perigo crescente de uma escalada com o Ocidente, incluindo uma escalada nuclear, devido ao impasse na Ucrânia.

O Departamento de Estado disse que os Estados Unidos não ajustaram a sua postura nuclear, nem viram qualquer sinal de que a Rússia estivesse a preparar-se para usar uma arma nuclear.

“Continuamos monitorando o ambiente estratégico e permanecemos prontos”, disse o porta-voz.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Esperando por resposta para carregar…

Fuente

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here