Home Notícias Exclusivo: O uso não regulamentado de água em Bawana alimenta a crise...

Exclusivo: O uso não regulamentado de água em Bawana alimenta a crise hídrica de Delhi

36
0


Uma investigação exclusiva da India Today revelou condições preocupantes em Bawana, onde o consumo não regulamentado de água industrial, impulsionado por uma máfia da água generalizada, está a agravar a crise hídrica de Deli.

BAWANA: DO ESTADO INDUSTRIAL MODELO AO PESADELO REGULATÓRIO

Desenvolvido em 1999 pelo governo do NCT de Delhi e administrado pela Corporação de Desenvolvimento Industrial e de Infraestrutura do Estado de Delhi, Bawana pretendia ser um modelo de propriedade industrial. Ele foi projetado para fornecer uma configuração planejada com toda a infraestrutura necessária para a realocação de indústrias não conformes. No entanto, 25 anos depois, Bawana tornou-se famosa pelas suas fábricas não autorizadas que violam flagrantemente os regulamentos.

EXPLORAÇÃO NÃO VERIFICADA DE RECURSOS HÍDRICOS

A exposição do India Today destaca problemas sérios com a gestão dos recursos hídricos e a corrupção na área industrial de Bawana, contribuindo diretamente para o esgotamento das águas subterrâneas de Deli. Embora as indústrias desfrutem de um abastecimento de água irrestrito, os residentes de Bawana enfrentam grave escassez de água, especialmente durante os meses quentes de verão.

POÇOS ILEGAIS AO REDOR DOS CANAIS DE ÁGUA

As operações ilegais de poços são desenfreadas perto do ramal Delhi Sub do canal Munak, que transporta água de Haryana para Delhi. Embora os poços sejam proibidos em Delhi, Bawana abriga mais de 16.000 lotes, com apenas 1.000 a 1.200 unidades tendo poços pré-sancionados alugados da Corporação Municipal de Delhi (MCD) por 99 anos.

Fontes da Bawana Infra sugerem que a maioria das unidades evita ligações de água medida, confiando em vez disso nas máfias dos petroleiros.

DENTRO DAS OPERAÇÕES DA TANKER MAFIA

Em uma operação policial, a Equipe de Investigação Especial (SIT) do India Today se passou por proprietários de fábricas para se infiltrar na máfia dos petroleiros. Durante a armação, Sanjay Dahia, membro da máfia dos petroleiros, revelou a extensão de suas operações.

Dahia disse: “Podemos fornecer água diariamente, embora às vezes possa haver um atraso de uma ou duas horas. A tarifa para 5.000 litros é de Rs 1.200 no Setor 5, Bloco B, e Rs 800 no Setor 2. Tiramos água do canal. Não há preocupação com a interferência da polícia porque pagamos subornos mensais”.

SUBORNOS EXTENSOS E CORRUPÇÃO

A operação policial revelou que as máfias dos petroleiros são capazes de operar sem problemas devido a subornos regulares.

Leela Sehrawat, outro membro da máfia, confirmou isso, afirmando: “Você só precisa providenciar o navio-tanque. Os custos dos subornos da polícia e do SDM são da nossa conta, não da sua.”

IMPLICAÇÕES ECONÔMICAS E AMBIENTAIS

A elevada procura de água com baixo teor de sólidos totais dissolvidos (TDS) é motivada pelo facto de a maioria dos poços nas unidades industriais produzirem água com elevado TDS, o que danifica as máquinas.

Isto criou uma cadeia de abastecimento onde as máfias operam poços perto do canal Munak para obter água de boa qualidade. Como resultado, as taxas de propriedade em torno destes canais de água aumentaram devido à extração desenfreada e descontrolada de água.

OPERAÇÕES DA MAFIA DE TANQUES LEVANTADAS EM REUNIÃO INTERNA

Durante uma reunião recente, altos funcionários confirmaram que foram levantadas questões de roubo de água ao longo da sub-ramal de Delhi do canal Munak.

Separadamente, em meio à disputa hídrica em curso entre o governo de Delhi e Haryana, uma reunião foi realizada no escritório do LG para revisar um relatório de inspeção da Comissão Central de Água (CWC) e do Upper Yamuna River Board (UYRB) ao longo do canal Munak e Delhi Sub filial que leva a Delhi.

DETALHES DO RELATÓRIO DE INSPEÇÃO

– Haryana liberou 2.289 cusecs de água em Munak no domingo.
– Destes, 1.161 cusecs foram designados para fornecimento exclusivo a Delhi, contra uma cota de 1.050 cusecs.
A quantidade de água recebida do canal Munak em Bawana, em Delhi, foi de 960 cusecs.
– Isto indica uma perda de 200 cusecs, ou 18 por cento, ao longo do canal Munak via DSB e CLC que leva a Deli.
– As normas aceites estabelecem que estas perdas devem ser inferiores a 5 por cento.

Um alto funcionário do Conselho do Alto Rio Yamuna explicou que um medidor defeituoso foi a razão para a leitura de água baixa em Delhi. Durante uma inspeção, um perfilador de corrente Doppler acústico (ADCP) sugeriu que o fluxo de água era superior aos 960 cusecs indicados. O responsável também mencionou que embora as operações de poço ao longo do canal esgotem os recursos hídricos, não afectam as medições do caudal de água em tempo real. Além disso, os vazamentos ao longo do canal Munak contribuem para a perda de água. O governo de Deli afirma que Haryana não está a libertar a sua parte de 1.050 cusecs através do canal Munak via DSB & CLC.

NECESSIDADE DE AÇÃO REGULATÓRIA URGENTE

Fontes da Bawana Infra apontam para a falta de cooperação da Corporação Municipal de Delhi e do Conselho Delhi Jal, agravando a situação. A investigação destaca a necessidade urgente de ação regulatória e transparência para proteger os recursos hídricos de Deli e reduzir a corrupção.

O futuro do abastecimento de água de Deli está em jogo e é necessária uma acção imediata para resolver esta crise. As autoridades devem implementar medidas rigorosas para controlar a extracção ilegal de água e responsabilizar os responsáveis ​​pela corrupção. Esta denúncia exige uma resposta imediata e robusta dos órgãos reguladores para garantir a futura água de Deli.

Publicado por:

Vadapalli Nithin Kumar

Publicado em:

12 de junho de 2024



Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here