Home Notícias Nação europeia que quer canalizar o interior do Reino Unido e enviar...

Nação europeia que quer canalizar o interior do Reino Unido e enviar os eritreus de volta para um terceiro país

32
0

Uma nação europeia está a planear canalizar o seu interior do Reino Unido e prosseguir planos para remover migrantes da Eritreia para um terceiro país.

O Parlamento Suíço votou em 11 de Junho a favor da aprovação de uma moção que ecoa o plano do Ruanda que o Reino Unido tem trabalhado para implementar há meses para realocar requerentes de asilo rejeitados no estrangeiro.

O Conselho Nacional da Suíça concordou em discutir a proposta apresentada por Petra Gössi, membro do FDP/SZ, já que os partidos de direita a apoiaram por 120 votos a 75.

Prevê-se que cerca de 260 requerentes de asilo eritreus cujo pedido foi rejeitado sejam expulsos, mas o governo suíço tem até agora de identificar para onde poderão ser transferidos.

De acordo com o plano de Gössi, a Suíça chegaria a um acordo com um país terceiro para acolher os migrantes e assumiria a responsabilidade pela obtenção de documentação da Eritreia para a sua repatriação.

A proposta provocou uma reação furiosa do social-democrata Jean Tschopp, que classificou a política como um “beco sem saída”.

Tschopp afirmou: “Esta decisão é um beco sem saída, uma vez que a Eritreia não aceita o regresso forçado dos seus cidadãos. Recorrer a um terceiro Estado não favoreceria a sua readmissão.”

O colega conselheiro federal Beat Jeans acrescentou: “Se quisermos concluir tal acordo de trânsito com um país, precisaríamos de colocar dinheiro adicional na mesa e garantir que a Eritreia esteja disposta a aceitar de volta pessoas deste país. Até agora, ninguém conseguiu fazer isso.”

A votação ocorre num momento em que a Suíça enfrenta uma tensão persistente entre os migrantes eritreus que apoiam o governo do presidente Isaias Afewerki e outros que fugiram do país para escapar às suas políticas.

A Suíça é o lar de uma grande diáspora eritreia há décadas e a polícia tem sido repetidamente forçada a intervir para aplacar as duas facções desde que o Presidente Afewerki celebrou o seu 30º ano no poder, em Setembro passado.

Sabe-se que as gerações mais antigas de eritreus consideram amplamente o Sr. Afewerki um herói da independência da Eritreia e organizam regularmente eventos para recolher dinheiro em apoio ao seu governo.

As gerações mais jovens de migrantes que deixaram o país fugiram, em vez disso, do seu governo, segundo o qual “as violações dos direitos humanos estão na ordem do dia”, segundo o Conselho Suíço para os Refugiados.

As forças militares do presidente da Eritreia também enfrentaram múltiplas acusações de cometer crimes de guerra contra civis durante o conflito em curso na região de Tigray, na fronteira com a Etiópia.

A Suíça tem sido um destino popular entre os migrantes da Eritreia há anos, pois é o país mais próximo da Itália, onde uma grande maioria chega regularmente após cruzar o Mediterrâneo.

A especialista em leis de migração Cesla Amarelle alertou no mês passado que o governo suíço enfrentaria desafios consideráveis ​​na tentativa de implementar a nova política.

Em declarações à Swiss Infor, o professor Amarelle disse: “Se este plano avançar, o tribunal terá de julgar cada caso individualmente para determinar se a pessoa corre o risco de tortura, tratamento degradante ou punição se for repatriada.

Fuente

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here