Home Entretenimento Putin para fazer "Amigável" Visita à Coreia do Norte em 18 de...

Putin para fazer "Amigável" Visita à Coreia do Norte em 18 de junho

Putin para fazer "Amigável" Visita à Coreia do Norte em 18 de junho

Putin reduziu as viagens ao exterior desde o lançamento da ofensiva na Ucrânia. (Arquivo)

Moscou:

O presidente russo, Vladimir Putin, viajará à Coreia do Norte na terça-feira para uma visita “amigável”, anunciou o Kremlin, enquanto o Ocidente suspeita que Pyongyang esteja fornecendo armas a Moscou para sua ofensiva na Ucrânia.

A visita ao Estado mais recluso do mundo ocorre num momento em que Putin procura munições para continuar a sua campanha militar lançada em Fevereiro de 2022, que lançou Moscovo num isolamento global sem precedentes.

Também ocorre nove meses depois de Putin ter recebido Kim Jong Un, da Coreia do Norte, numa rara viagem ao Extremo Oriente russo, onde os dois se elogiaram mutuamente.

“O presidente Vladimir Putin, nos dias 18 e 19 de junho, irá à República Democrática da Coreia do Norte para uma visita de Estado amigável”, disse o Kremlin em comunicado.

Moscou disse que Putin viajará então para o Vietnã.

Os países ocidentais, a Coreia do Sul e Kiev acusaram Pyongyang de enviar armas a Moscovo para utilização na Ucrânia, em violação das sanções da ONU à Coreia do Norte.

Washington e Seul dizem que a Rússia, em troca, forneceu ajuda técnica a Pyongyang para o seu programa de satélites e enviou ajuda ao Estado carente de alimentos.

Putin reduziu as viagens ao exterior desde o lançamento da ofensiva na Ucrânia, mas fez algumas visitas de alto nível aos poucos aliados importantes de Moscou, como a China.

Pyongyang raramente recebe convidados estrangeiros, isolado diplomaticamente e fechado ainda mais desde a pandemia de Covid.

A Rússia e a Coreia do Norte, que partilham uma pequena fronteira terrestre, têm ligações históricas desde que a União Soviética ajudou a fundar o pequeno Estado após a Guerra da Coreia, na década de 1950.

Desde a queda da URSS, a Rússia foi um dos poucos países que manteve relações de trabalho com Pyongyang.

‘Camaradas de armas’

Será a segunda visita de Putin ao país durante o seu mandato, depois de uma viagem há 24 anos, pouco depois de se tornar presidente, para se encontrar com o pai de Kim Jung Un, Kim Jong Il.

Naquela época, Putin era um viajante frequente, viajando regularmente pelos Estados Unidos e pela Europa.

Agora a Rússia encontra-se sob pesadas sanções internacionais e o líder do Kremlin é uma persona non grata na maior parte do mundo ocidental, oficialmente procurado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI).

Kim disse na semana passada que os laços com a Rússia “se transformaram em uma relação inquebrável de camaradas de armas”.

Quando os líderes se encontraram em setembro, Putin disse ver “possibilidades” de cooperação militar com a Coreia do Norte, enquanto Kim desejava “vitória” ao chefe do Kremlin na Ucrânia.

Eles presentearam-se simbolicamente com rifles e o Kremlin prometeu que Putin também os visitaria.

Desde então, uma série de autoridades russas, incluindo o chefe da espionagem de Moscou, visitaram a Coreia do Norte em preparação para a visita.

Em Março, a Rússia também utilizou o seu veto no Conselho de Segurança da ONU para acabar efectivamente com a monitorização da ONU às violações das sanções norte-coreanas, uma medida vista como uma vitória para Pyongyang.

Tanto a Rússia como a Coreia do Norte negaram que as armas de Pyongyang estejam a ser usadas na Ucrânia.

A poderosa irmã de Kim, Kim Yo Jon, acusou Seul e Washington no mês passado de “enganar a opinião pública” sobre o assunto.

Conchas norte-coreanas

A Ucrânia, no entanto, relatou ter encontrado projéteis norte-coreanos no campo de batalha.

Em maio, a Coreia do Sul disse que o seu rival do norte disparou vários mísseis balísticos de curto alcance, com alguns especialistas afirmando que poderiam ser testes de armas destinadas a serem utilizadas contra a Ucrânia.

À medida que o Kremlin e Pyongyang aprofundam publicamente os seus laços, a relação de Moscovo com a Coreia do Sul – um apoiante da Ucrânia – tem sido extremamente tensa.

Seul é um grande exportador de armas para Kiev. O seu presidente, Yoon Suk Yeol, prometeu no mês passado manter o seu apoio num telefonema com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.

A Coreia do Sul anunciou no mês passado sanções separadas contra indivíduos e empresas russas e norte-coreanas que supostamente comercializam suprimentos militares.

Por seu lado, a Rússia deteve no início deste ano um homem sul-coreano, Baek Won-soon, sob acusação de espionagem. Acredita-se que ele seja o primeiro sul-coreano detido sob acusação de espionagem na Rússia em décadas.

De acordo com relatos da mídia, ele pode ter sido um missionário ajudando os trabalhadores norte-coreanos na Rússia a escapar do país.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Esperando por resposta para carregar…

Fuente