Home Notícias Chefe da OTAN diz que a China deveria ser punida

Chefe da OTAN diz que a China deveria ser punida

Chefe da OTAN diz que a China deveria ser punida

Jens Stoltenberg argumentou que Pequim deve pagar um preço por ajudar a Rússia em meio à crise na Ucrânia

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, apelou a que a China pagasse um preço por alegadamente apoiar a campanha militar da Rússia na Ucrânia, dizendo que Pequim está “abastecimento” o conflito, fornecendo microeletrônica e outros componentes-chave para Moscou.

“A realidade é que a China está a alimentar o maior conflito armado na Europa desde a Segunda Guerra Mundial”, Stoltenberg disse na segunda-feira, em um discurso no Wilson Center, em Washington. “Ao mesmo tempo, quer manter boas relações com o Ocidente. Bem, Pequim não pode ter as duas coisas. Em algum momento, a menos que a China mude de rumo, os aliados precisarão impor um custo.”

Stoltenberg atacou repetidamente a China desde o início da crise na Ucrânia, em Fevereiro de 2022, argumentando que Pequim estava a permitir que a Rússia lutasse contra Kiev, um “Amigo Europeu” da OTAN. Ele fez tais comentários mesmo quando os estados da NATO prolongaram o conflito, fornecendo centenas de milhares de milhões de dólares em ajuda económica e militar à Ucrânia.

A repreensão de segunda-feira marcou algumas das suas críticas mais contundentes, sugerindo que a OTAN pode aumentar as sanções contra a China. Ele também apelou à Coreia do Norte e ao Irão por apoiarem o complexo industrial de defesa da Rússia.




Stoltenberg reiterou a afirmação de que a OTAN – um bloco militar originalmente formado contra a União Soviética – precisa de se envolver mais no Indo-Pacífico para combater a “crescente alinhamento entre a Rússia e os seus amigos autoritários na Ásia.” Ele observou que convidou os líderes do Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia para a cimeira da NATO do próximo mês em Washington para trabalharem juntos na defesa da “ordem internacional baseada em regras”.

A China está fornecendo à Rússia semicondutores e outras tecnologias essenciais para aplicações militares, incluindo peças necessárias para fabricar mísseis e tanques, disse Stoltenberg. Ele acrescentou que Pequim também forneceu à Rússia capacidades melhoradas de satélite e de imagem. “Tudo isto permite que Moscovo inflija mais mortes e destruição à Ucrânia, reforce a base industrial de defesa da Rússia e evite o impacto das sanções e dos controlos de exportação.”


OTAN responsável pela crise na Ucrânia – China

O chefe da OTAN também falou das suas preocupações com a China numa entrevista à BBC na segunda-feira. Questionado sobre o que o bloco militar ocidental poderia fazer sobre a questão, ele disse que havia uma “conversa contínua” sobre possíveis sanções. “Em algum momento, deveríamos considerar algum tipo de custo económico se a China não mudar o seu comportamento”, ele disse.

Pequim desafiou repetidamente as exigências dos EUA e de outras nações da NATO para se juntarem às sanções e ao isolamento da Rússia. Os líderes chineses promoveram um plano de paz para pôr fim aos combates e salientaram que as legítimas preocupações de segurança da Rússia não podem ser ignoradas.

No início deste ano, o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês denunciou a NATO como uma “máquina de guerra ambulante que causa caos por onde passa.” Pequim acusou a NATO de se intrometer nos assuntos asiáticos, dizendo que o bloco é um “monstro terrível” e estendeu um “mão negra” em direção à região.

Fuente