Home Entretenimento Putin diz que Coreia do Norte "Apoiando firmemente" A guerra da Rússia...

Putin diz que Coreia do Norte "Apoiando firmemente" A guerra da Rússia contra a Ucrânia: relatório

Putin diz que Coreia do Norte "Apoiando firmemente" A guerra da Rússia contra a Ucrânia: relatório

Putin elogiou a Coreia do Norte por apoiar firmemente a guerra de Moscovo na Ucrânia antes da sua visita a Pyongyang.

Seul:

O presidente russo, Vladimir Putin, elogiou na terça-feira a Coreia do Norte por “apoiar firmemente” a guerra de Moscou na Ucrânia antes de sua visita a Pyongyang com o objetivo de reforçar os laços entre os aliados com armas nucleares.

“Apreciamos muito que a RPDC (Coreia do Norte) esteja a apoiar firmemente as operações militares especiais da Rússia que estão a ser conduzidas na Ucrânia”, escreveu Putin num artigo publicado pela Agência Central de Notícias oficial da Coreia.

Os dois países estão “agora a desenvolver activamente a parceria multifacetada”, escreveu Putin, apontando, por exemplo, o facto de Moscovo e o regime de Kim Jong Un terem “mantido a linha comum e a posição na ONU”.

Putin deve chegar ao isolado Norte, que está sob sucessivas rodadas de sanções das Nações Unidas devido aos programas de armas proibidos de Kim, na noite de terça-feira para sua primeira visita desde 2000.

A viagem “colocará a cooperação bilateral num nível mais elevado com os nossos esforços conjuntos e isto contribuirá para desenvolver uma cooperação recíproca e igualitária entre a Rússia e a RPDC”, escreveu o líder russo, segundo a KCNA.

Aliados históricos que remontam à fundação da Coreia do Norte após a Segunda Guerra Mundial, Moscovo e Pyongyang aproximaram-se cada vez mais desde a invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022, à medida que Putin se tornou cada vez mais isolado e procura amigos, dizem os especialistas.

No ano passado, Kim fez uma rara viagem ao estrangeiro no seu comboio à prova de balas para se encontrar com Putin num espaçoporto russo.

Seul, Washington e Kiev alegaram subsequentemente que a Coreia do Norte está a enviar armas para a Rússia para utilização na sua guerra na Ucrânia, violando séries de sanções da ONU, em troca de ajuda técnica com o seu nascente programa de satélites.

A Coreia do Norte negou, qualificando a alegação de “absurda” – ao mesmo tempo que agradecia à Rússia por ter utilizado o seu veto da ONU em Março para acabar efectivamente com a monitorização das violações das sanções, no momento em que os especialistas da ONU começavam a investigar alegadas transferências de armas.

Kim também intensificou os testes de armas, incluindo uma série de lançamentos este ano de mísseis de cruzeiro, que analistas dizem que a Coreia do Norte poderia fornecer à Rússia para uso na Ucrânia.

Um relatório do Pentágono no mês passado disse que a Rússia estava usando mísseis balísticos norte-coreanos na Ucrânia, citando análises de destroços.

– Cooperação em defesa –

Citando um assessor do Kremlin, agências russas disseram na segunda-feira que os dois líderes assinarão “documentos importantes” durante a visita.

Isto pode incluir um “tratado de parceria estratégica abrangente” que delineará a cooperação futura e tratará de “questões de segurança”, disse o assessor do Kremlin, Yuri Ushakov, citado por agências de notícias estatais russas.

Mas os especialistas disseram que, na realidade, quaisquer novos acordos se concentrariam em impulsionar a cooperação em defesa dos dois países.

“Moscou e Pyongyang querem alavancar a percepção de que seus laços são de longo prazo e cada vez mais integrados em relação à defesa”, disse Patrick Cronin, presidente de Segurança da Ásia-Pacífico no Instituto Hudson, à nova agência Yonhap.

“Eles também podem sugerir que esta relação é abrangente. Certamente ambos os países enfrentam sérios dilemas económicos. Mas independentemente das palavras usadas, as relações actuais centrar-se-ão na cooperação em defesa.”

A viagem de Putin ao Norte é, na realidade, “dois homens fortes com economias fracas que se deleitam no centro das atenções como líderes para trocar tecnologia militar e subverter a ordem liderada pelos EUA”, disse Cronin à Yonhap.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Esperando por resposta para carregar…

Fuente