Home Notícias O país europeu onde os avós agora são pagos para cuidar dos...

O país europeu onde os avós agora são pagos para cuidar dos netos

O país europeu onde os avós agora são pagos para cuidar dos netos

A Suécia reconheceu o papel que os avós desempenham nas famílias jovens por meio de uma nova lei inovadora implementada no início deste mês.

Pais de crianças pequenas que vivem no país agora podem transferir parte do subsídio de licença-família para os avós do bebê.

Assim como os pais que recebem a licença, os avós que recebem alguns dos subsídios devem estar segurados para receber benefícios parentais e não podem procurar emprego ou estudar durante o período em que são pagos para cuidar da criança.

A lei, aprovada pelo Parlamento sueco em dezembro passado, estabelece que os pais podem transferir no máximo 45 dias de licença para outras pessoas durante o primeiro ano de vida da criança — um limite aumentado para 90 dias para pais solteiros.

A Suécia, conhecida por seu sistema de bem-estar social financiado pelos contribuintes, oferece 480 dias de licença parental totalmente remunerada por criança.

Desse total, o salário dos primeiros 390 dias é calculado com base na renda integral de cada um dos pais, enquanto nos três meses restantes é pago um valor fixo de 180 coroas suecas (£ 14) por dia.

Os pais que trabalham também recebem apoio depois que retornam ao trabalho, pois têm a opção de trabalhar menos horas até que seus filhos completem oito anos – ou 12, se forem funcionários públicos.

Elogiando a nova lei, Alexandra Wallin, da Agência Sueca de Seguridade Social, disse à emissora sueca SVT que esta medida “proporcionará mais oportunidades”.

O subsídio para avós foi introduzido cinco décadas depois que os pais suecos se tornaram elegíveis, assim como as mães, para licença parental.

O sistema de seguridade social da Suécia visa fornecer segurança financeira às pessoas que vivem no país durante diferentes fases da vida.

Lar de cerca de 10,5 milhões de pessoas, a Suécia tem bom desempenho em muitos aspectos do Índice de Vida Melhor da OCDE, incluindo moradia, empregos, qualidade ambiental e segurança.

Fuente