Home Notícias ESA se prepara para a era pós-ISS, seleciona The Exploration Company, Thales...

ESA se prepara para a era pós-ISS, seleciona The Exploration Company, Thales Alenia para desenvolver espaçonaves de carga

45
0

A Agência Espacial Europeia selecionou duas empresas na quarta-feira para desenvolver projetos de uma espaçonave de carga que poderia estabelecer o primeiro acesso soberano do continente ao espaço.

Os dois premiados, a principal empresa aeroespacial Thales Alenia Space e a startup francesa The Exploration Company, receberão 25 milhões de euros (US$ 27 milhões) cada para desenvolver conceitos de veículos que possam transportar carga de e para estações em órbita baixa da Terra. Esta fase inicial decorrerá até 2026, com oportunidades adicionais de contratos competitivos que se seguirão. O objetivo é ter pelo menos uma cápsula realizando um voo de demonstração para a Estação Espacial Internacional (ISS) em 2028 e ter um serviço de transporte de carga online até o final da década.

Neste momento, a Europa depende dos seus parceiros internacionais para transportar carga e tripulação para o espaço “através de um sistema de troca”, a agência espacial explicou quando anunciou os contratos do LEO Cargo Return Service no ano passado. Mas a iminente saída de órbita da Estação Espacial Internacional e o surgimento de estações espaciais privadas significam que a Europa pode ficar sem uma forma significativa de troca e, em vez disso, terá de pagar em dinheiro para aceder ao espaço.

O contrato LEO Cargo Return Service foi estabelecido para investir esse dinheiro na capacidade industrial europeia. O serviço de carga pode até se tornar um trampolim para uma capacidade de transporte tripulado, da mesma forma que a cápsula Dragon da SpaceX tem uma variante tripulada e outra somente de carga.

“Prepara-nos para a era pós-ISS, fortalecendo a competitividade da indústria europeia em operações em órbita baixa da Terra, além de ser um caso de teste para a transformação da ESA e trabalhar de forma diferente”, disse o diretor de exploração humana e robótica da ESA, Daniel Neuenschwander, num comunicado. .

O contrato LEO Cargo Return Service, anunciado pela primeira vez no ano passado, é semelhante ao programa Commercial Orbital Transportation Services da NASA, estabelecido em 2006. Esse programa resultou em contratos de serviço lucrativos e multibilionários para a SpaceX e a Orbital Sciences Corporation (que agora faz parte da Northrop Grumman).

No entanto, a NASA acabou pagando centenas de milhões de dólares a ambos os concorrentes para o desenvolvimento de suas respectivas cápsulas – o Cargo Dragon da SpaceX e o que agora é o Cygnus da Northrop – então a agência precisará fazer mais lobby para garantir que receberá o dinheiro que precisa para financiar estas cápsulas durante o resto da década.

A CEO da Exploration Company, Hélène Huby, disse que sua cápsula, chamada Nyx, está sendo projetada para atender a Estação Espacial Internacional, as próximas estações espaciais privadas e a plataforma lunar orbital da NASA, Gateway. A startup francesa arrecadou cerca de US$ 65 milhões de investidores de risco para o design de seus veículos, e o voo inaugural está previsto para 2026, confirmou Huby em uma entrevista recente.

“Este contrato é apenas o começo”, disse Huby.

Fuente

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here