Home Tecnologia Diddy foi atingido pelo sétimo processo alegando uso de drogas e agressão...

Diddy foi atingido pelo sétimo processo alegando uso de drogas e agressão sexual por ex-aluno do FIT

46
0

O magnata da música Diddy enfrenta mais um desafio legal quando uma mulher chamada April Lampros se apresentou, alegando que ele a drogou e agrediu sexualmente várias vezes. Este processo marca a sétima acusação contra a estrela em apuros, somando-se a uma lista crescente de problemas legais.

Na quinta-feira, 23 de maio, o TMZ informou que o advogado Tyrone Blackburn entrou com a ação em nome de Lampros. De acordo com o processo, Lampros afirma que conheceu Diddy em 1995, em um bar do SoHo, na cidade de Nova York, enquanto ela era estudante no Fashion Institute of Technology. Ela alega que Diddy a convidou para seu quarto no Millenium Hotel, onde ela começou a se sentir desorientada quando ele supostamente a forçou. Lampros conta que estava consciente durante a agressão e acordou na manhã seguinte nua, dolorida e confusa.

O processo detalha um padrão de comportamento predatório. Lampros afirma que Diddy a contatou novamente meses depois, oferecendo acesso a eventos da indústria musical. Apesar do primeiro encontro traumático, Lampros, descrito por seu advogado como um “estudante universitário esperançoso, porém ingênuo”, decidiu encontrá-lo novamente. Ela alega que durante este segundo encontro, Diddy a forçou a fazer sexo oral em um estacionamento, incidente testemunhado por um frentista a quem Diddy parecia indiferente.

Depois disso, Lampros afirma que rejeitou os avanços de Diddy, o que supostamente o levou a adotar uma “personalidade mafiosa”. Ele começou a ligar para ela incessantemente, ameaçando colocá-la na lista negra do setor. De acordo com Lampros, Diddy a “mandou” para seu apartamento, onde ela foi apresentada a Kim Porter. Ela alega que Diddy a coagiu a tomar ecstasy e depois exigiu que ela praticasse atos sexuais com Porter enquanto ele assistia e se masturbava, seguido de outro estupro.

Lampros terminou seu relacionamento com Diddy em 1998, mas afirma ter tido um encontro casual com Kim Porter em um restaurante onde ela trabalhava. De acordo com a ação, Porter acusou Lampros de tentar envenená-la, levando à demissão de Lampros do cargo.

Os documentos legais descrevem ainda um incidente no Rockefeller Center no final de 2000 ou início de 2001, onde Lampros supostamente encontrou Diddy e Jennifer Lopez. Ela afirma que Diddy mais tarde foi ao apartamento dela, onde ele “a agarrou violentamente e forçou-a”, embora ela tenha conseguido escapar.

Em uma revelação surpreendente, Lampros afirma que em 2023, seu namorado a informou sobre um vídeo online que a mostrava fazendo sexo com Diddy. Ela alega que Diddy gravou seu encontro sexual sem o consentimento dela. Lampros está processando Diddy por agressão sexual, agressão e inflição intencional de sofrimento emocional. O processo também nomeia Bad Boy Records, Arista e Sony Music Entertainment como réus, acusando-os de permitir o comportamento de Diddy.

Tyrone Blackburn, representando Lampros, também é advogado de Rodney Jones e Liza Gardner em seus processos contra Diddy, bem como Grace O’Marcaigh em seu caso contra Christian Combs. Além disso, Blackburn entrou recentemente com uma ação por agressão sexual em nome de Crystal McKinney contra Diddy em 21 de maio.

À medida que Diddy continua a enfrentar estas graves acusações, a indústria do entretenimento observa de perto, aguardando a sua resposta e o impacto potencial na sua carreira e legado.

Fuente

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here