Home Estilo de Vida O ativista indígena Leonard Peltier, centro de uma polêmica condenação por assassinato,...

O ativista indígena Leonard Peltier, centro de uma polêmica condenação por assassinato, consegue audiência de liberdade condicional

47
0

O ativista indígena Leonard Peltier, que passou a maior parte de sua vida na prisão desde sua condenação pelos assassinatos de dois agentes do FBI em Dakota do Sul, em 1975, tem uma audiência de liberdade condicional na segunda-feira em uma prisão federal na Flórida.

Aos 79 anos, a saúde de Peltier está piorando e, se o pedido de liberdade condicional for negado, poderá levar uma década ou mais até que seja considerado novamente, disse seu advogado Kevin Sharp, ex-juiz federal. Sharp e outros apoiadores argumentam há muito tempo que Peltier foi condenado injustamente.

“Toda esta audiência é uma batalha pela vida dele”, disse Nick Tilsen, presidente e CEO do NDN Collective, um grupo de defesa liderado por indígenas. “É hora dele voltar para casa.”

A última audiência de liberdade condicional de Peltier foi em 2009. Sua luta pela liberdade foi defendida por figuras públicas e artistas como Robert Redford – que narrou o documentário de Michael Apted de 1992, Incidente em Oglala — Bishop Desmond Tutu Rage Against the Machine U2 e Robbie Robertson que apresentou gravações de voz feitas por Peltier na prisão em seu álbum de 1998 Contato do submundo de Redboy.

Aqui estão algumas coisas que você deve saber sobre o caso.

O Movimento Indígena Americano

Membro inscrito na tribo Turtle Mountain Chippewa, Peltier era ativo no Movimento Indígena Americano (AIM), que começou na década de 1960 como uma organização local em Minneapolis que lutava com questões de brutalidade policial e discriminação contra os nativos americanos. Rapidamente se tornou uma força nacional.

ASSISTA | O relatório de 1987 do Quinto Estado sobre a controvérsia Peltier:

A AIM ganhou as manchetes em 1973, quando assumiu o controle da vila de Wounded Knee, na reserva Pine Ridge, em Dakota do Sul, levando a um impasse de 71 dias com agentes federais. As tensões entre a AIM e o governo permaneceram elevadas durante anos.

O FBI considerou a AIM uma organização extremista e plantou espiões dentro do grupo.

Mas Tilsen, um cidadão da nação Oglala Lakota, diz que o AIM, juntamente com outros grupos, foram fundamentais para garantir os direitos que os nativos americanos têm hoje, incluindo a liberdade religiosa, a capacidade de operar casinos e faculdades tribais, e celebrar contratos com o governo federal para supervisionar escolas e outros serviços.

O incidente mortal

Sharp culpou o governo por criar o que descreveu como um “barril de pólvora” que explodiu em 26 de junho de 1975.

Esse foi o dia em que os agentes vieram a Pine Ridge para cumprir mandados de prisão em meio a batalhas contínuas sobre os direitos e a autodeterminação do tratado indígena.

O membro do AIM, Joseph Stuntz, foi morto por um atirador de elite no tiroteio que se seguiu.

Depois de serem feridos no tiroteio, os agentes do FBI Jack Coler e Ronald Williams foram baleados na cabeça à queima-roupa.

Robert Robideau e Dino Butler do AIM foram absolvidos do assassinato de Coler e Williams. Depois de fugir para o Canadá e ser extraditado para os Estados Unidos, Peltier foi condenado e sentenciado em 1977 à prisão perpétua, apesar das alegações da defesa de que as provas contra ele tinham sido falsificadas.

“Você tem uma condenação que foi repleta de má conduta por parte dos promotores, do Ministério Público dos EUA, do FBI que investigou este caso e, francamente, do júri”, disse Sharp. “Se eles tentassem isso hoje, ele não seria condenado.”

Um agente não identificado do FBI marcha em direção à Casa Branca em 15 de dezembro de 2000, segurando uma imagem dos dois agentes do FBI, Ron Williams e Jack Coler, que foram mortos na Reserva Indígena Pine Ridge, em Dakota do Sul, em 1975. (Hillery Smith Garrison/Associação de Imprensa)

Anistia Internacional concorda, a manutenção do julgamento de Peltier foi prejudicada por declarações de testemunhas retratadas e evidências balísticas defeituosas.

James Reynolds, um ex-procurador sênior dos EUA que já supervisionou a resposta do governo a um apelo, escreveu a Obama em 2017, dizendo que era hora de conceder clemência a Peltier por motivos humanitários.

Reynolds disse à CBC News na época que “não tinha ideia” se Peltier havia disparado algum tiro fatal, mas que a justiça havia sido cumprida por sua sentença de décadas. Ele disse separadamente ao New York Daily News que a promotoria “poderia ter salvado alguns cantos aqui e ali”.

Nenhuma mudança na posição do FBI

O diretor do FBI, Chris Wray, disse em comunicado que a agência estava decidida em sua oposição ao último pedido de liberdade condicional de Peltier.

“Nunca devemos esquecer ou deixar de lado que Peltier assassinou intencionalmente estes dois jovens e nunca expressou remorso pelas suas ações cruéis”, escreveu ele, acrescentando que o caso foi repetidamente confirmado em recurso.

Um homem barbeado, com cabelos grisalhos e vestindo terno e gravata é mostrado em close.
O diretor do FBI, Christopher Wray, visto em 11 de março em Washington, DC, se opõe veementemente à libertação de Peltier. (Mark Schiefelbein/Associação de Imprensa)

A Associação de Agentes do FBI, um grupo profissional que representa principalmente agentes ativos, disse em uma carta que qualquer libertação antecipada seria um “ato cruel de traição”.

A Sociedade de Ex-Agentes Especiais do FBI mirou no status de Peltier como uma causa célebre.

“Pode ser uma espécie de culto ficar do lado dele como uma espécie de herói. Mas ele certamente não é isso; ele é um assassino de sangue frio”, disse Mike Clark, presidente do grupo, em uma carta se opondo à liberdade condicional.

Espera-se que os familiares dos dois agentes do FBI mortos se manifestem na segunda-feira no Complexo Correcional Federal Coleman, na Flórida.

Qual o proximo?

A decisão deverá ser tomada no prazo de 21 dias. Se a oferta de Peltier for negada, ainda existem caminhos legais que sua equipe poderia explorar, embora um pedido de clemência que chegou ao presidente Joe Biden possa ser sua melhor aposta.

O congressista republicano Tim Burchett, do Tennesse, junto com 32 democratas, incluindo os importantes membros da Câmara, Alexandria Ocasio-Cortez e Katie Porter, pediram em outubro que Biden concedesse clemência a Peltier por motivos de compaixão. O grupo citou “má conduta do Ministério Público”, bem como declarações de Reynolds e do falecido juiz de apelação Gerald Heaney, que também defendeu a libertação de Peltier.

A ex-membro da Câmara, Deb Haaland, em 2020, pressionou para que a sentença de Peltier fosse comutada. Não está claro se Haaland – o primeiro membro indígena do gabinete como secretário do Interior – teve alguma conversa com Biden sobre o assunto.

Dezenas de membros do Congresso pressionam por clemência:

Fuente

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here