Nº 1 DA FRELIMO NA ZAMBÉZIA: “A oposição pretende trazer o colono de volta”

Luís de Figueiredo

Paulino-Lenco-Frelimo-300x200 Nº 1 DA FRELIMO NA ZAMBÉZIA: “A oposição pretende trazer o colono de volta”Quelimane (Txopela) O Primeiro Secretário do Comité Provincial do Partido Frelimo na Zambézia, Paulino Lenço disse há dias em Quelimaneque os partidos da oposição,nomeadamente o Movimento Democrático de Moçambique (MDM) e Resistência Nacional de Moçambique (RENAMO) estão empenhados a trazer os colonialistas de volta ao País.

Paulino Lenço fez estes pronunciamentos à margem de uma reunião dirigida por ele aos estudantes do Instituto de Formação de Professores de Quelimane, sob a égide da Organização da Juventude Moçambicana (OJM) da cidade de Quelimane e que contou com a participação do administrador do distrito de Quelimane Carlos Baptista Carneiro.

Numa reunião bastante concorrida pelos estudantes daquela instituição de formação profissional, Lenço começou por pedir que os jovens parem de desprezar a FRELIMO porque, segundo explicou a FRELIMO foi o partido que libertou o povo do jugo colonial e somente o seu partido tem o programa que se alinha com a agenda do povo moçambicano “ é preciso que tenhamos muita atenção com esses partidinhos que estão a aparecer agora, o nosso País já passou por três guerras e vocês não conhecem as reais motivações para que estas guerras fossem desencadeadas, Moçambique é rico em recursos naturais e muitos brancos querem explorá-los e levá-los aos seus países, por isso financiam partidos como a RENAMO para nos desestabilizar enquanto eles exploram as nossas riquezas. Por isso meus jovens têm que estar muito atentos a esses partidos falaciosos da oposição”. Alertou Lenço.

O Secretário Provincial da Frelimo na Zambézia,usou como exemplo o facto de durante as comemorações dos 75 anos da cidade de Quelimane, a edilidade ter trazido para Quelimane alguns moçambicanos residentes na diáspora e explica: “viram o que aconteceu durante as festas de 75 anos de Quelimane? Julgam que é verdade o que andaram a dizer que são Quelimanenses residentes na diáspora? Porque é que não vieram antes para cá se realmente amam a pátria? Cuidado jovens! Esses partidos da oposição não têm nenhum programa com o povo, estão somente a ser usados pelos colonialistas que deixaram o País para lhes trazer de volta e continuarem a explorar a nossa terra e ao nosso povo” – vaticinou Paulino Lenço.

Leia:  Governo da Zambézia “ignora” luto nacional pela tragédia de Tete

Para sustentar a sua posição, Lenço falou da República da Líbia onde, segundo as suas palavras “aquele era o País mais rico do continente, entretanto por causa de forças exteriores o povo líbio mandou matar o seu líder Muhamar Khadafi, hoje em dia aquele que era o País mais rico da África passou a ser o mais pobre, por isso não desprezem a FRELIMO que é o nosso pai e nossa mãe porque depois de matá-la, não terão escolas para leccionar porque não haverá mais governo comprometido com o povo”.

Recordemo-nos que cerca de 78 moçambicanos residentes no estrangeiro, maioritariamente em Portugal estiveram durante uma semana na cidade de Quelimane a convite do Presidente do Conselho Municipal de Quelimane para fazer parte das comemorações dos 75 anos de elevação desta circunscrição à categoria de cidade.

 

LIVRE & INDEPENDENTE

© Jornal Txopela, 2017
Todos os direitos reservados
Fundado em 2014

REGISTO Nº 01/GABINFO-DEC/2016. © AFRO MEDIA COMPANY
Ir para a barra de ferramentas