Implacabilidade prometida contra os manifestantes é cumprida contra menores- Por Luis de Figueiredo

Luis-de-Figueiredo-_-Jornal-Txopela-300x150 Implacabilidade prometida contra os manifestantes é cumprida contra menores- Por Luis de FigueiredoA comunicação social baseada na província da Zambézia está voltadapara a cobertura nos últimos diasdos tumultos que tem-se registado um pouco por todos os distritos desta província central de Moçambique, atinentes ao famoso fenómeno de chupa sangue que, no entender de alguns cidadãos, à calada da noite, vagueiam de casa em casa em busca de uma oportunidade para, com ajuda de uma seringa chupar o sangue dos seus ocupantes adormecidos para fins até então menos esclarecidos, até pelos próprios “peritos da existência do fenómeno”.

Se existe o tal fenómeno não se pode confirmar, mas o que sei dizer é que um pouco por toda a extensão geográfica da província da Zambézia, estão sendo relatados ultimamente casos de tumultos caracterizados por populares revoltados que se amotinam nas mais diversas instalações de prestação de serviços públicos em protesto ao que alcunham de “encobrimento cúmplice das autoridades aos chupa sangue”, como hospitais, postos policiais, residências de lideres e agentes económicos e mais. Ademais, os populares têm vindo a acusar as autoridades de nada fazer para colmatar o problema que dizem ser recorrente nas suas zonas residenciais pautando pelo silêncio e apelos ao silêncio.

Numa sociedade onde se vislumbra a ocorrência de um problema que poderá ser maior, todos os dirigentes deveriam tomar medidas administrativas que conduzam à solução do pequeno problema que está sendo vivido actualmente de forma pacífica e harmoniosa.

Explico-me:

Se estamos perante uma situação de tumultos sistemáticos relativos ao mesmo fenómeno e em diversas localizações geográficas, por mais desinformados ou desculturados que sejam os envolvidos, a história reza que algo de errado deve estar a acontecer (Não há fumo sem fogo). É preciso entender que a população não está intrinsecamente errada porque “a meu ver”, alguém está a fomentar estas informações que, misturadas com vários outros motivos disfarçados mas não adormecidos, levam a tomada de tais medidas radicais.

Leia:  Impunidade não senhor Nyusi — Manuel de Araujo

Mas o grande motivo que me levou a rabiscar esse artigo tem a ver com o facto de a Policia da Republica ter prometido implacabilidade contra os que chama de prevaricadores e promotores destes actos de desinformação. A PRM através do seu Porta-voz Miguel Caetano, prometeu semanasatras que: “a corporação será implacável a estes indivíduos, não passará a mão na cabeça desses prevaricadores que estão a desinformar as comunidades”. – Decisão bem tomada, pois a província está a viver um momento de recuperação dos danos causados pelo conflito que se encontra neste momento hibernado pela trégua das hostilidades militares, então nada justifica que se viva outro tipo de conflito na província.

Mas os métodos que estão sendo aplicados pela polícia na tentativa de acalmar os ânimos dos manifestantes me deixam um tanto ou quanto duvidoso quanto ao alvo das palavras do Porta-voz da polícia. Ora, se a polícia promete ser implacável com os manifestantes e no terreno morrem crianças que voltam da escola, isto me deixa um pouco inquieto e peço desde já, que algo seja feito pelas autoridades que superintendem a polícia na Zambezia para, primeiro reverter o cenário de mortes de crianças e depois averiguar as circunstancias que conduziram a estas tristes perdas.

LIVRE & INDEPENDENTE

© Jornal Txopela, 2017
Todos os direitos reservados
Fundado em 2014

REGISTO Nº 01/GABINFO-DEC/2016. © AFRO MEDIA COMPANY
Ir para a barra de ferramentas