ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GURUÉ: Edilidade e Governo em pé de guerra

  • Edilidade aponta dedo, governo faz discurso “bonito”

Gurue-300x199 ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GURUÉ: Edilidade e Governo em pé de guerraQuelimane (Txopela) – O município de Gurué através do respectivo edil Orlando Janeiro vulgarmente conhecido por “Penipeny”, acusa o governo do mesmo distrito de estar a dificultar as actividades da edilidade principalmente no que se refere a criação de condições para provisão de água potável à população, situação que segundo a fonte, sai lesada a população.

O edil fez a acusação recentemente em entrevista exclusiva ao Jornal Txopela, quando questionado a propósito do ponto de situação de abastecimento de água na autarquia, um problema que já tem barbas brancas e aliás, consta do manifesto eleitoral do autarca como uma das grandes prioridades mas que até ao momento a situação continua mesma.

“Água é um ponto que sempre vínhamos falando e ate então contínua, mas para quem esta a entender vê que a situação é de impedimento por parte do governo do distrito, fizemos tudo por tudo mas acredito eu que um dia vai ser resolvido este problema, como, não posso adiantar porque não sei” disse o autarca, para depois sublinhar que o maior desejo da edilidade é que a população tenha água.

“Penipeny” disse estar ciente da magnitude do problema de água na autarquia sob seu comando e chegou mesmo a dizer que este ponto será sempre reclamado pelos munícipes. “Água continua a ser calcanhar de Aquiles e nós estamos de tudo a fazer para ultrapassar essa situação, porque no final das contas quem sofre é a população local e aqueles que por aqui passam sem culpa nenhuma, então há necessidade de união em todos sentidos para ver possamos ultrapassar este problema que na verdade é grande”, – circundou.

Presidente fala de impedimento por parte do governo, em que medida? “Facto é que não há abertura por parte do governo, as vezes dizem que o município não pode intervir no sistema de tubagem actualmente existente porque há elementos que se forem intervidos, a cidade de Gurué pode estar inundada. Agora minha pergunta é, o que queremos mesmo, nós queremos água”, – sublinhou o autarca.

Leia:  Rácio população-polícia trava esforços de combate ao crime em Cuamba

Penipeny refere que o problema de abastecimento de água está na captação não existe nenhuma barragem mas sim uma bacia aberta desprotegida, facto que faz com que não haja concentração da água e esta escapa por todos os cantos.

Governo faz discurso “bonito”

Entretanto, a nossa reportagem procurou ouvir as autoridades governamentais através do seu respectivo administrador, Costa Chirembue Injae, para compreender como estava o relacionamento com a edilidade, tendo em conta que Gurrué é uma autarquia sob  gestão do MDM mas que ambos trabalham para o bem-estar da mesma população.

Tal como o edil, o administrador reconheceu que abastecimento de água constitui num dos principais calcanhares de Aquiles naquele distrito, “água é vida”, – disse.

A fonte explica que o distrito possui três sistemas de abastecimento de água, sendo um na vila sede do distrito, outro em Lioma e o terceiro na localidade de Tetete cuja reabilitação será feita no próximo ano.

Segundo avançou ainda a mesma fonte, Gurué conta com um total de 350 furos e a cobertura do preciso líquido à população em termos percentuais ronda em 40. “Só para ver, num universo de mais de 400.000 habitantes, se estamos a dizer que situa-se em 40% significa que perto de 260.000 pessoas não têm acessos água potável, daí que o governo central em coordenação em coordenação com o governo distrital, vai construir no próximo ano mais 30 furos” e continuou “o sistema que temos aqui foi na altura concebido para um número muito reduzido e agora a cidade cresceu e a demanda de água está a quem das necessidades”.

Num outro desenvolvimento, o administrador de Gurué, referiu que o governo está a mobilizar recursos para ampliação da tubagem e captação do preciso líquido ao nível da vila cede com objectivo de melhorar o fornecimento de água aos cidadãos.

Leia:  Homicídios e assassinatos continuam a ser a tónica dominante de crimes na Zambézia

O dirigente referiu ainda que já foi efectuado um trabalho técnico a três anos atrás para mediatizar o processo de construção de um sistema de abastecimento de água fiável naquele distrito, e da avaliação feita estimou-se que seriam necessários cerca de 50 milhões de dólares o equivalente a cerca de 400 milhões de meticais tido como bastante alto para a capacidade do distrito, daí que o governo ao mais alto nível em coordenação com a província está a mobilizar recursos para a construção do referido sistema.

Questionado sobre a conivência do governo e a edilidade, Chirembue disse que a postura do Estado avança que Município não é um território autónomo mas sim uma maneira de governação para o rápido desenvolvimento de uma unidade territorial, dai que independentemente de quem esteja a dirigir, o objectivo fundamental é defender os interesses da comunidade. “Tanto o Governo local como o Município, todos eles trabalham para melhorar as condições de vida da população. Não se faz luta política no processo de governação faz se sim luta política no período de campanha eleitoral mas posto isto, aquele que vencer deve ter a capacidade de aglutinar todos que o elegeram e os que não o elegeram de modo a governar numa convivência pacífica”, – concluiu.

Recordem-se que o Município do Gurué à semelhança do de Quelimane está sob gestão do Movimento Democrático de Moçambique (MDM). (Jacinto Castiano)

LIVRE & INDEPENDENTE

© Jornal Txopela, 2017
Todos os direitos reservados
Fundado em 2014

REGISTO Nº 01/GABINFO-DEC/2016. © AFRO MEDIA COMPANY
Ir para a barra de ferramentas